BATE CORAÇÃO!

Nasci numa família tradicionalmente são-paulina [pelo menos os mais inteligentes dela são tricolores rs!] meu avô, meu tio, meus irmãos e vários primos e primas. 
Vi o São Paulo de Telê Santana, Zetti, Cafu, Toninho Cerezo, Pintado, Raí, Muller e Palhinha serem bicampeões da libertadores e mundial em 1992 e 1993. Vi também o time de 2005, 2006, 2007 e 2008 campeões de libertadores, mundial e três vezes brasileiro, fortalecendo ainda mais o meu amor por esse grande clube, que a cada ano mostra-se ser ainda maior. 
Muitos de vocês sabem que nasci na terra da garoa, mas foi aqui no interior paulista [no sertão desconhecido por muitos] que me formei e sou o que sou. 
Nem nos melhores sonhos imaginaria que um dia aqui em Penápolis eu e tantos outros são-paulinos iriam ver o tricolor paulista jogando nos gramados do Estádio Tenente Carriço. 
Pois bem, no dia 03 de março de 2013, o que poderia ser um desejo utópico isso se realizou. O São Paulo FC entrara em campo com aquele que pra mim se tornaria uma segunda paixão. 
Acompanhei de perto a trajetória do CAP (Clube Atlético Penapolense) durante o campeonato de 2011 onde sagrou-se campeão paulista da série A3. Em 2012, de forma inesperada até mesmo para os dirigentes do “Pantera da noroeste”, conseguiu o acesso para a elite do futebol paulista. 
E logo no seu primeiro jogo contra um dos grandes – Palmeiras – eles mostraram para o que vieram e ganharam dos porcos em pleno Pacaembu por 3 a 2. 
Mas, para história, ficaria a primeira recepção de um time grande na pacata Penápolis. Estádio lotado e com ele a festa que o esporte pode proporcionar. Todos estavam atônitos querendo um “beslicão” para cair na real, saindo de um sonho ilusório, para a realidade presente e perpetuada naquele momento. 
Confesso que até momentos antes da partida, eu estava em dúvida em qual portão entrar. Mas acabei dando a oportunidade para o caçulinha  tanto do campeonato, como do meu coração. 
Bom o jogo acabou 2 a 0 para o tricolor paulista com gols de Rhodolfo e Ademilson, agora a história não, que por sinal se repetirá neste domingo com a presença do grande M1TO Rogério Ceni. 
E sinceramente não sei para que lado torcer!? Bate coração! 

SOBRE A REUNIÃO PÚBLICA DA DENGUE

Na noite de ontem, a Câmara Municipal de Penápolis foi palco da primeira reunião pública sobre a dengue no município de Penápolis. 
Estiveram na mesa cumprindo as formalidades o presidente do legislativo municipal, Alexandre Gil de Melo (PT), o secretário de governo e gerência da cidade, Coronel Daniel Rodrigueiro, o secretário de saúde, Alex Marques Cruz, o coordenador da vigilância epidemiológica Wladimir Marangoni e os representantes da Sucem, Clélia Moura e Sandro Garcia. 
Na oportunidade, o representante da vigilância fez uma apresentação relatando a situação da dengue no mundo e no município. No planeta existe em média 100 milhões de casos por ano. Sendo que desses 500 mil teve dengue hemorrágica, dos quais 22 mil vieram a óbito. Em Penápolis, os anos que deram maiores incidências da doença, foram nos anos de 2007 e 2010. Este último com exatos 1.740 casos positivos.

De acordo com a Clélia Moura, existe sim uma elevação em números de casos de tempos em tempos, geralmente, de 4 a 5 amos, pois, os mosquitos transmissores evoluem e transformam qualquer tipo da doenças cada vez mais resistentes. 
Vieram a óbitos apenas dois casos – um em 2010 e 2012, mas esse ano já tivemos a morte de morador de Luiziânia que fora transferido para o município de Penápolis. 
Segundo as informações da prefeitura foram retirados na primeira etapa do arrastão mais de 207,7 toneladas de lixo das casas dos munícipes, sendo que 37% foram de materiais inúteis. Até a noite de ontem foi notificados 481 possíveis casos de dengue no município, destes 188 deram positivos. 
O secretário de saúde disse que não é necessário fazer uma grande ação, pois, é necessário o trabalho de conscientização. Já o secretário de governo relatou o empenho que a prefeitura e o corpo de servidores públicos (entre 120 a 150 pessoas) estão colocando para cumprir a ‘nota de serviço’ instrumento criado para o acompanhamento pessoal das autoridades. Entre as ações estão a distribuição de panfletos informativos em casa a casa, bem como, na coleta de detritos das residências. Na primeira etapa foram 75 notificações. 
Ele comentou ainda que pelo o prefeito Célio de Oliveira ter decretado situação de emergências algumas leis são flexibilizadas e assim o serviço público torna-se mais ágil. Com isso, haverá a contratação de nossas equipes temporárias, bem como, de uma empresa para fazer a pulverização nas residências do município. 
Perguntei sobre os possíveis casos não notificados, principalmente, por hospitais e laboratórios particulares do município e o coordenador da vigilância epidemiológica Wladimir Marangoni comentou que um funcionário é responsável por passar em cada um desses espaços e coletar as informações. 
Vale lembrar que normalmente os índices começam a cair no início de abril, portanto, nós temos ainda pela frente mais dois meses de luta contra a dengue. 
Simbora nesta causa?

PENÁPOLIS CONTRA A DENGUE

Hoje eu conversei por telefone com o presidente da Câmara Municipal de Penápolis, o vereador Alexandre Gil de Melo (PT), sobre a reunião que acontecerá amanhã, 29, às 19h, na Sala Pereira Filho, sobre a dengue. 
Segundo ele, foi convidado além da Secretaria Municipal de Saúde e Vigilância Epidemiológica, os membros do Pronto Socorro, da Santa Casa de Misericórdia de Penápolis, Sucem, Comitê de Combate a Dengue e da DRS (Diretoria Regional de Saúde) da cidade de Araçatuba para explanar sobre a real situação da proliferação da doença no município. 
De acordo com a assessoria de comunicação da prefeitura, a situação é de emergência, pois, já foram confirmados 158 casos de dengue e 484 notificações a serem realizados todos os exames necessários. Neste caso, isto é, segundo informações extraoficiais faltam apenas 20 casos para se declaram epidemia. 
Durante a reunião, o vereador e toda a população poderão tirar dúvidas sobre quais serão os próximos passos da prefeitura para conter a proliferação do mosquito e assim prevenir novos casos da doença. 
E você está preocupado com a onde de dengue na cidade? 

AMEAÇA A LIBERDADE DE EXPRESSÃO

No dia 22 de janeiro, a FENAJ [Federação Nacional dos Jornalistas] divulgou o relatório anual sobre a violência contra jornalistas e liberdade de expressão. 
O relatório com mais de 50 páginas traz todas as informações sobre os três assassinatos de jornalistas – dois nos estados do Rio de Janeiro e um na Bahia. 
No documento, a entidade lembra que a segurança é fundamental para garantia da liberdade de expressão e de imprensa garantida do artigo 19 da Declaração Universal dos Direitos Humanos – sendo assim, nenhum jornalista poderia ter sido vítimas de violências, na tentativa criminosa de silenciar os que têm por ofício dar voz. 
A maioria dos casos são no estado de São Paulo – 37 casos, quase 29% dos casos brasileiros. Entre os gêneros 76,74% são homens e trabalhadores de jornais impressos como eu – 32,5%. 
Estes números só reforçam o quanto o trabalho do jornalista deve ser cada dia mais valorizado, tanto pela sociedade, como também, pelos empregadores – que em muitos casos são os próprios ‘patrões’ os causadores dos males. 
LIBERDADE DE IMPRENSA AMEAÇADA
Desde a minha entrada na faculdade de jornalismo tenho a consciência exata do meu papel para a sociedade. Tanto é que qualquer tipo de ameaça a minha liberdade eu já denuncio de primeira.
Foi isso que aconteceu em um jornal do município quando assinava uma coluna semanal – primeiro o ‘Sumeriando’ e posteriormente o ‘Blog do Faria’. Ao ser cerceado, por motivos econômicos anunciei publicamente o meu desligamento. 
Em outro caso, após uma postagem neste blog fui ameaçado, com promessas do interlocutor dizendo: – que eu perderia meu emprego. Isso até agora não se confirmou e olha que já fazem seis meses. 
Tenho certeza que outras ameaças virão, afinal de contas, eu me formei para dar ‘luz’ onde estava escuro/obscuro. E como dizia Tom Zé: “Eu tô te explicando pra te confundir/ Eu tô te confundindo é pra te esclarecer/ Eu tô iluminado/ Pra poder cegar/ Tô ficando é pra poder guiar”. 
Mas fique bem claro – NÃO ME CALARÃO e buscarei sempre fazer um jornalismo ético, justo e transparente. 

GRUPO DE MAMÃES SE UNE PARA FAZER O BEM ÀS FAMÍLIAS DE PENÁPOLIS

Disponíveis para o bem, elas arrecadam alimentos e roupas para aos mais necessitados fazendo a alegria de muita gente

Grazielli brinca com uma das crianças durante entrega de presente do natal organizado pela associação

Em outubro do ano passado, Danielle de Menezes, 35 anos, querendo ajudar algumas famílias do município, resolveu fazer uma chamada pública na rede social Facebook para ver se existiam outras mães interessadas em também colaborar. Pois bem, horas depois apareceu Grazielli Grupo Leite, 29, que ela denomina: “a benção que chegou na minha vida”.

Danielle e Grazielli que até então não se conheciam, encontraram na ação das “Mamães do Bem” um estilo de vida. Atualmente, elas não trabalham fora, dedicando exclusivamente ao lar e as funções da associação. À noite Danielle trabalha na lanchonete de seu marido. Já Grazielli se diz formada em ser mãe e atua nos finais de semana como professora na escolinha dominical da Igreja Assembleia de Deus – Ministério de Penápolis.

Elas se juntaram a outras onze ‘meninas’ (Karine Ortiz, Suzana Rebesco, Cristiane Figueiredo, Gabriela Gaspar Gimenes, Bia Moura, Poliana Teixeira Patricia Lima, Roanita Domingues, Graziele Munhoz, Viviane Farias, Biah Aniceto e Nanccy Rocha), que entraram posteriormente e formaram a Associação Mamãe do Bem – grupo de mães ‘super poderosas’ que dão assistência a outras famílias do município de Penápolis.

“Eu fiz o convite em outubro e em novembro nós começamos os trabalhos. A primeira grande ação foi arrecadar presentes para doar no natal a crianças dos bairros Gualter Monteiro e Silvia Covas, nós tínhamos cerca de 100 presentes e não deu pra quem queria. Mas o que mais nos marcou foi que a maioria de nossos brinquedos era de meninas e quando acabou os de meninos, os próprios queriam receber os de menina só para dizer que ganharam um presente”, lembra.

Durante o natal, além dos brinquedos elas também entregaram cestas básicas às famílias que comprovadamente necessitavam. “Fomos recolhendo todos os alimentos que precisávamos, até que um senhor veio e nos doou várias outras cestas. Ele nos disse para irmos ao supermercado e comprar tudo o que precisávamos. E nós fomos e compramos quase R$ 400 em produtos, com isso, pode ter a certeza que ganhamos mais um parceiro para o projeto e que em outro momento ele vai ajudar novamente por saber que o trabalho é sério”.

PROPOSTA
Mas a ideia principal das “Mamães do Bem” é de ajudar a família como um todo, dando assistência no for necessário. “Nós já tivemos casos da mulher chegar aqui grávida de oito meses e não ter sequer uma roupinha, e nós com muito empenho conseguimos um enxoval inteiro”, comenta Grazielli.

“Buscamos aquelas mães que tiveram um filho recentemente e que não pretendem ter outro tão logo e que possam nos disponibilizar separando as roupinhas para doação”, completa Danielle.
Sem ideia, pelo menos inicial de não se formalizarem, a Associação Mamães do Bem entende que para ajudar cada dia mais famílias não precisaria da formalização de uma organização não governamental. “Nós sentimos muito o que as pessoas estão passando agora. Fome não espera né? E a burocracia que existe hoje limitaria nossas ações, então preferíamos ficarmos do jeito que está. Se lá na frente tornar um negócio maior do que nós, iremos registrá-lo”, comenta.

Todos os meses, as mamães fecham a lista dos ingredientes que compõem as cestas básicas e a partir de então vão captar as doações. “Nós desejamos encontrar parceiros que nos ajudassem mensalmente com uma cesta básica”.

Segundo elas, uma das maiores dificuldades é a incredulidade de algumas pessoas. “Já encontramos aqueles que nos perguntaram se não ficamos com as roupas que foram doadas. Daí nós as convidamos a vir com a gente em algumas das casas que frequentamos para verem a real situação daqueles que ajudamos, mas, geralmente elas não vão”, comenta Danielle.

Outra dificuldade é buscar todas as doações que chegam via grupos do Whatsapp e Facebook. “O difícil é buscar, pois, por ser um trabalho voluntário às vezes o combustível termina, mas, mesmo assim o nosso trabalho é tão gratificante porque vemos os sorrisos das crianças e da família no rosto, entretanto, se tiver alguém que quiser ajudar será super bem vinda”, salienta.

Os donativos são acondicionados numa das salas da casa de Danielle, que preparou o lugar para servir de estoque e atendimento.

IDENTIFICAÇÃO
Para facilitar a identificação, as “Mamães do Bem” confeccionaram uma camiseta que tem a menção das mulheres poderosas que são. “No nosso grupo além de mobilizar as meninas a participarem das ações solidárias, como as próprias coletas e doações, nós também ajudamos uma as outras dando conselho sobre muita coisa que acontecem em nossas vidas foram das Mamães do Bem”.

Para conhecer o trabalho desenvolvido pelo grupo e até mesmo colaborar, é disponibiliza uma página no Facebook onde se divulga a iniciativa de ser solidário e entrar na corrente do bem.
O endereço eletrônico é https://www.facebook.com/mamaesdobem.
Além disso podem entrar em contato pelos telefones 18 9 9806 6194 (Danielle), 18 9 9106 2881 (Grazielli), ou pelo endereço R. Jose Borges de Camargo 143, no Jardim Ipê.

DOAÇÃO FAZ CONHECER A DOR E REALIDADE

Danielle com uma das famílias beneficiadas pelas Mamães do Bem

Ao se solidarizar com as pessoas, inevitavelmente se acabará conhecendo melhor a sua realidade, sua dor, e se envolvendo e se emocionando com os dramas vividos. Aí se dá conta de que há pessoas em situações piores que a sua, e você só reclama.
Com o grupo “Mamães do Bem” não é diferente, e já se tem casos a relatar. Danielle de Menezes que encabeçou via redes sociais a mobilização de voluntárias para a causa social, até se emociona quando testemunha os vários problemas
“Nós temos histórias que nos emocionam completamente”, essa é uma das frases de Danielle que relata com os olhos marejados, por exemplo, a história de ‘Seu Sebastião’, que após sofrer um acidente, hoje vive com múltiplas convulsões. Ele e a mulher Dona Cida cuidam de seus netos e no dia que o grupo das mamães foi à sua casa aconteceu o seguinte diálogo:
“-Seu Sebastião já jantou?
Ele: -Nem jantei e nem almocei, porque se eu comer, meus netos ficam sem comida.”
Ao ver os alimentos que as voluntárias levaram, Sebastião chorou.

Um outro caso é de um garoto chamado Bruno, atualmente com quatros anos, designado pelos médicos por ter fibrose cística, uma doença hereditária comum, que afeta todo o organismo, causando deficiências progressivas com característica cicatrizante de formação de cistos no interior do pâncreas e, frequentemente, levando à morte prematura.

Ele recebia ajuda das ‘mamães’, quando sua mãe agradeceu-o dizendo que não precisaria mais, pois, Bruninho tinha conseguido aposentar. Danielle quis mostrar que há pessoas que quando conseguem um outro tipo de ajuda, libera para que outros necessitados também sejam socorridos.

BOMBOM
O primeiro caso das ‘Mamães do Bem’ foi a história de Davi, que em época de Natal foi perguntado o que queria de presente e surpreendentemente pediu bombons.  “Na hora pedi pro meu marido buscar um bombom e quando ele trouxe uma caixa, ele não acreditava que aquilo tudo era seu, fazendo que pulasse de alegrias. Não esquecendo-se de sua mãe, lhe ofereceu também não resistindo e saboreando com o filho” – relata.

“Essa atitude fez com que o menino acabasse com a lombriga. Eu fico imaginando, nós temos tanta coisa em casa com muita fartura, nem que seja um pacote de bolacha, isso ou outras coisas que temos condições de comprar. Em minha casa haviam coisas que acabavam estragando porque não se consumia. Hoje aprendemos a dar valor e a compartilhar”, testemunha Danielle.

#CULT | FIM DE SEMANA COM EXPOSIÇÃO, TEATRO E MÚSICA

O espetáculo “Circulando”, da Gentalha Cia de Teatro, será apresentado no sábado, às 17h e no domingo, às 16h
Começou ontem, 22, mais um final de semana cultural no CEU das Artes. Durante a semana, a exposição “Geometrias Urbanas”, do artista plástico William Menkes está aberta a visitação. Toda quarta e quinta-feira, das 13h às 17h, os visitantes podem conversar diretamente com o artista. A exposição prossegue até o dia 29 de janeiro. 
Já na sexta-feira, dia 23, o dueto composto por André Souza e Zezinho Sanfoneiro, apresenta o show Baião de Dois às 19h. O repertório traz músicas de grandes artistas como Alceu Valença, Zé Ramalho, Dominguinhos, Elba Ramalho, Luiz Gonzaga e Fagner, apresentando ao vivo o melhor do ritmo nordestino e suas raízes.
TEATRO
O espetáculo de rua “Circulando”, da Gentalha Cia de Teatro de Penápolis, se apresenta no sábado, dia 24, às 17h e no domingo, dia 25, às 16h. A peça utiliza da linguagem do circo-teatro para mostrar a realidade de Doni e Bininha, um casal de palhaços que após o fechamento do circo onde trabalhavam, se vêm obrigados a se aventurar por novos caminhos, inclusive as ruas, na busca da redescoberta de sua arte e sua relação com o público. 
Agora, desfalcados pela falta de estrutura e até mesmo pela ausência dos amigos artistas, tentam mostrar um pouco daquilo tudo que aprenderam durante os longos anos vivendo em baixo da lona, mesmo que nem sempre obtendo sucesso na realização de seus números.
AÇÃO CULTURAL
Todas essas ações fazem parte do projeto de Ocupação do CEU das Artes, que é desenvolvido pela Funarte (Fundação Nacional de Artes) do Ministério da Cultura, através do Projeto Povoarte.
Vale lembrar que todas as atividades têm entrada franca e estão abertas a toda comunidade.  
SERVIÇOS 
Exposição Geometrias Urbanas 
Às quartas e quintas-feiras das 13h às 17h. 
Show Musical: Baião a Dois, 
com André Souza e Zezinho Sanfoneiro 
Sexta-feira, dia 23/01, às 19h. 
Espetáculo Teatral: “Circulando”
da Gentalha Cia de Teatro
Sábado, 24/01, às 17h e 
Domingo, 25/01, às 16h. 

EXISTE EXTREMA POBREZA EM PENÁPOLIS?

Sim, existe extrema pobreza em Penápolis. Quem confirma tal afirmação são os relatórios do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, que após o Censo IBGE de 2010 sistematizou em documento.

Nele afirma que dos mais de 58 mil habitantes, o município possuía 504 pessoas que se encontravam em situações de extrema pobreza, vivendo com uma renda per capita abaixo de R$ 70.

FAIXA ETÁRIA

O que mais me chamou a atenção foi pro número de 43 crianças de 0 a 3 anos que estão sofrendo com essa situação. Entre as idades de 15 a 17 anos, apenas onde estavam nesta situação, mas que calculado na faixa etária de 0 a 17 essa número a 27, 9% dos penapolenses.

GÊNERO

Entre os gêneros 52,3% são mulheres e 47,7% de homens. Já os brancos, sim os brancos, são a maioria absoluta a baixo na linha da pobreza. Na época eram 62, 9% do total.

EDUCAÇÃO

Na educação, das pessoas com mais de 15 anos, 50 não sabiam ler ou escrever, representando 13,8% dos extremamente pobres, sendo que, dentre eles, 33 eram chefes de domicílio.

SANEAMENTO BÁSICO

O relatório por fim que 16 pessoas, 3,1% do total, viviam sem luz e 50, 10,0%, não contavam com captação de água adequada em suas casas.
100 ou 19,9% não tinham acesso à rede de esgoto e ao lixo coletado.

Precisamos saber como que está hoje, após, quase cinco anos do relatório. Será que diminuiu? Será que aumentou? Como você acha que está?

CARTAS PARA HOLLY

Querida Holly, hoje eu quase esqueço de postar a carta no correio, meu dia foi bem cheio, acordei mal humorada pra piorar. Mas o monte de tarefas mudou meu foco e a tarde fui andar de bicicleta, o que me deixou energizada.Andar de bicicleta tem muitas vantagens, a melhor delas é perceber os lugares, seus detalhes, e hoje fui presenteada com essa imagem. Imagina minha sensação de ter o vento batendo no rosto enquanto eu olhava essa cena?Não tenho mais nada a dizer, essa fotografia diz tudo.
Inspirada por projetos 365, onde consiste em registrar uma foto por dia, todos os dias ano, a designer gráfico Amanda Ribeiro criou o projeto “365 olhares, para 365 dias do ano“.
Desde 1º de janeiro vem registrando o dia-a-dia os seus afazeres, mas também suas angústias, medos e frustrações, do mesmo modo, que suas felicidades, paixões e sorrisos.
Ela ainda publica pequenos “bilhetes” em forma de carta para Holly, personagem da lendária atriz americana Audrey Hepburn, considerada a mulher mais bonita da história de Hollywood.
Como boa observadora, Amanda compartilha a sua paixão de fotografar, por hobbie é certo, mas que não impede segundo ela de treinar o olhar e a criatividade.
Em seu blog ela destaca 5 motivos para começar hoje a realizar um projeto 365. 1) te ensina a observar; 2) desperta admiração; 3) reforça a gratidão; 4) liberta inibições e; 5) documenta o seu crescimento.
Conheça a página no Facebook clicando aqui

#CULT | WORKSHOP: INVESTIGAÇÕES DO CORPO NO ESPAÇO URBANO

Beth Faustina
Direcionada para artistas e estudantes de teatro, dança e performance, educadores e demais interessados, a Oficina Cultural Sílvio Russo traz para o município de Penápolis, nos próximos dias 6 e 7 de fevereiro, o workshop “Investigações do Corpo no Espaço Urbano”. 
A oficina estimulará a investigação das potencialidades criativas do corpo a partir das percepções e experiências no espaço urbano dos próprios participantes, sendo que ao final do processo criativo resultará numa intervenção performática. 
Ministrado pelas atrizes e performers Georgianna Dantas e Mayra Pimenta, as atividades acontecem na sexta-feira, dia 06, das 19h às 22h. E no sábado, dia 07, das 9h às 12h e das 13h às 19h. 
As inscrições estão abertas e são oferecidas 25 vagas que serão preenchidas por ordem de inscrição para pessoas com idade a partir de 16 anos. 
Georgianna Dantas
Atriz e arte-educadora. Formada em Artes Cênicas pela Universidade Federal de Ouro Preto, cursa especialização em Estudos Contemporâneos em Dança na Universidade Federal da Bahia. Integra o Núcleo Anticorpos de Investigações em Dança, em Minas Gerais, que desenvolve pesquisa em dança contemporânea e intervenções performáticas.
Mayra Pimenta
Bailarina clássica, atriz, performer e arte-educadora, é formada em Artes Cênicas pela Universidade Federal de Ouro Preto. Integra a Cia. Etra de Dança Contemporânea e o Núcleo Anticorpos de Investigações em Dança.
Serviços 
Casa de Cultura de Penápolis
Rua Manoel Foz, 225 – Vila Aparecida
18 3652 5570

Programa “Existe amor em Penápolis”

Como definimos o amor? Pra mim o amor é uma grande afeição por algo ou alguém. Ela nasce com o tempo e genuinamente gratuita, sem nenhum interesse. É assim na vida! 

Nasci na capital paulista, terra da garoa, com mais de 11 milhões de pessoas, cidade das oportunidades. Dela guardo um profundo respeito. 
Mas foi aqui, no interior [sertão desconhecido] que me criei. Primeiro nas terras de Manoel Alvez de Athaíde, o povoado de São João da Saudade, atualmente Mirandópolis, cidade que recebeu José Datrino – o Profeta Gentileza – autor da celebre frase “Gentileza gera gentileza”. 
No final dos anos de 1990, foi a vez de Penápolis me receber. Não foi amor a primeira vista, mas é hoje um amor profundo, capaz de discernir o que há de belo e o que há de malfeitos. Contudo, prefiro guardar as coisas amorosas que a vida me proporcionou aqui nas terras de Maria Chica, mulher guerreira que lutou bravamente pela sua sobrevivência.  

E por sobrevivência continuo lutando para que essa terra continue gerando gentis oportunidades. Para isso, parafraseei Criolo, um dos maiores rappers da atualidade, onde ele diz: “Não existe amor em SP”, e criamos no Blog do Faria o projeto “Existe Amor em Penápolis”. Essa iniciativa norteará todas as nossas ações pelo ano inteiro, afinal, comemoramos cinco anos. 
O projeto consiste em sete atividades que irá propor para a sociedade penapolense momentos de reflexão sobre a própria cidade trazendo a tona novos modos de pensar, de construir e de ocupar os espaços que lhes são devidos, afim de,garantir direitos fundamentais à cidade e a cidadania. 
OLHARES
Em março, lançaremos o Concurso Fotográfico “Existe Amor em Penápolis”, a primeira de nossas sete atividades. Nele buscaremos olhares diferentes sobre o município. Como que você vê a cidade? O que mais te chama atenção? Existe gentileza em Penápolis? E beleza também existe? 
DIÁLOGOS
Em 2013, de forma bem experimental realizamos o Hashtag – Hiperligando Ideias, uma conferência estilo TEDx que estimula a disseminação de boas ideias. A proposta é trazer penapolenses espalhamos pelo país afora e que estão fazendo a diferença por onde passam, mostrando que existe amor nos penapolenses!
SARAU
A celebração faz parte da vida do ser humano. E existe amor maior do que celebrar a vida através da arte? Pois bem, pretendemos convergir e fundir o que há de melhor na música, na dança, na pintura, na escultura, no teatro, na literatura, no cinema, na fotografia, nas histórias em quadrinhos, nos jogos eletrônicos e na arte digital, mostrando que há sim trabalhos autorais. 
SOLIDÁRIO
No fim do ano passado, o Blog do Faria teve uma experiência bem bacana que foi a campanha “Doe um chinelo de dedo” que entregamos para as crianças da ‘Casa Abrigo’ – casa mantida pela Apae de Penápolis. Neste ano, não será diferente e acamparemos outras campanhas em prol das entidades do nosso município. E com toda certeza contaremos com você! 
KOMUM
O Komum será um trabalho de mini documentários que tem por objetivos contar histórias de ideias inovadores e inspiradoras de penapolenses e ou de organizações não governamentais que transformam as vidas de muita gente. Tem alguma dica aí?
PARTICIPAÇÃO
Todo ano a Prefeitura de Penápolis realiza o Orçamento Participativo. Espaço onde o governo exerce o processo de escuta das demandas da sociedade, que posteriormente será processada como política pública a ser executada no orçamento subsequente. Isto é, tudo o que foi proposto para ser realizado neste ano, foi pensado em 2014 e tudo que será realizado em 2016, será proposto agora. 
Para isso faremos dois trabalhos: 
De fiscalizar o encaminhamento e a execução do que foi proposto para esse ano e;

De acompanhar todos os encontros do Orçamento Participativo de 2015, afim de, documentar e estabelecer e garantir mecanismos de participação de todos os cidadãos. Então bora participar?
DIVERSÃO
Em novembro, o Blog do Faria completa cinco anos. E nesta nova etapa nada mais justo do comemorar com os amigos né!? Mas até agora não imaginei o que poderíamos fazer juntos! Tem uma ideia?

Contradições carnavalescas

No final de 2014, já de férias li uma matéria na Folha da Região, escrita pelo meu amigo Ivan Ambrósio de que dizia que a Prefeitura de Penápolis proibia o estacionamento das 22h às 5h da manhã, na avenida João Antônio de Castilho ou o Parque Santa Leonor. 
Na época compartilhei a reportagem e emiti em breve palavras minha humilde opinião: 
Tento compreender os moradores que vivem aos arredores da avenida João Antônio de Castilho, mas a via é hoje um importante corredor de empresas e principalmente de bares e restaurantes, limitar o acesso e o estacionamento é uma afronta a liberdade de ir e vir de cada cidadão. Além do mais, nós nunca tivemos uma faixa tão grande de jovens de 15 a 29 anos, que necessariamente, precisam de espaços de lazer e lá com certeza é uma delas. Não podemos permitir tal descalabro quietos!
Pois bem, essa semana a Prefeitura de Penápolis divulgou através de sua assessoria de imprensa matéria dizendo que a Secretaria de Cultura irá realizar a maior festa popular do Brasil – o CARNAVAL lá! Acreditam!? Para um lugar que não pode receber barulhos de carros e som alto, vai receber o grande festejo pagão, palco da derrisão e apoteose?
Se a regra vale pra um, não deve valer para outro? O porque então a prefeitura pode fazer lá? Dá mesma forma qu deram os ouvidos para os reclames dos moradores, desta vez, consultou-os? 
Creio que desta vez a Prefeitura de Penápolis pouco menos de um mês após a sua proibição (in)felizmente caiu em contradição! 
E o que você achou do carnaval do Parque Santa Leonor! Pode ou não pode? 

Santa Casa de Misericórdia adere ao programa PRÓ-SUS do governo federal

Com a retenção no Pró-SUS Santa Casa poderá entrar em outros programas estaduais e federais
Foram mais de R$ 18 milhões retidos em moratória; Para cada R$ 1 recolhidos em pagamento de novos tributos, o mesmo valor será quitado
Após o Ministério da Fazenda através da Receita Federal e da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional emitir uma certidão positiva com efeitos de negativa de débitos relativos aos tributos federais e a dívida ativa da união, a Santa Casa de Misericórdia de Penápolis assinou no final de 2014, o PRÓ-SUS – Programa do Governo Federal que promove a recuperação de créditos tributários e não tributários devidos à União.
De acordo com o superintendente do Conselho Diretor da Irmandade, Antônio Crosatti, essa era a oportunidade para que a Santa Casa pudesse colocar em dia as dívidas que chegam a R$ 23 milhões.
“Nós conseguimos que o governo retivesse o montante de mais de R$ 18 milhões do tal da dívida. Sendo que, a partir da data da assinatura, para cada R$ 1 recolhido, será quitado o mesmo valor da moratória”, comenta.
Segundo Crosatti, esses problemas com os débitos trabalhistas, previdenciários e tributários começou ocorrer após a entidade sofrer intervenção municipal, do então prefeito Sinoel Batista, que posteriormente foi declarado inconstitucional pela justiça.
“Desde a época que foi feito um contrato particular transferindo a gestão administrativa e financeira à Prefeitura de Penápolis, sofrendo anos após anos novos termos aditivos, até que entre 2008 e 2009 foi feito na gestão do ex-prefeito João Luís dos Santos o termo de distrato parcial, com a devolução administrativa à Irmandade com todos os passivos quitados, além de arcar com todas as despesas geradas antes de janeiro de 2008”.
Agora com todo o passivo retido no PRÓ-SUS, a Santa Casa de Misericórdia comemora, pois, encontra-se atualmente com as obrigações fiscais no estado e no município, incluindo a certidões trabalhistas do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço).
Crosatti explica ainda que num breve espaço de tempo, o SUS (Sistema Único de Saúde) reterá o valor da PLENA (repasse mensal que o Ministério da Saúde faz aos municípios brasileiros), remetendo diretamente a receita federal, podendo essa atitude deliberada prejudicar a manutenção da moratória. Para isso, os diretores da Irmandade e do Hospital estiveram na prefeitura na última segunda-feira, 12, para conversar com o prefeito Célio de Oliveira.
“Conversamos com ele e explicamos que a partir da obtenção do PRÓ-SUS nós teremos por obrigação acertar em dia as obrigações tributárias a partir de agora. Com isso, estimamos que aproximadamente R$ 120 mil mensais será deduzido junto ao SUS, mas atualmente a prefeitura repassa R$ 50 mil que jogaremos para o pagamento dos tributos atuais, mas ainda faltarão R$ 70 mil”, explica.
Esse valor é referente à dívida tributária, que a prefeitura continuará a repassar os R$ 50 mil. De acordo com Crosatti, a Irmandade entende que o governo não tem recursos para arcar com os outros R$ 70 mil que sairá dos cofres da entidade nos próximos meses.

CAMPANHA
Crosatti salientou que nos próximos dias irá se reunir com a diretora-presidente do DAEP (Departamento Autônomo de Água e Esgoto de Penápolis), Silvia Shinkai, para acordar nova investida na campanha da água.

Superintendente Antônio Crosatti, a secretária Lúcia Helena Lopes e o Diretor Hospitalar Roberto Bastos trabalham na obtenção das certidões
“Nós chegamos receber dessa campanha mais de R$ 18 mil, atualmente arrecadamos em torno de R$ 7 mil por mês. São muitas pessoas que doa R$0,50 e R$ 1 e que podem doar um pouco mais”, comenta.
Além dessa campanha o prefeito Célio de Oliveira se comprometeu em buscar novos recursos para a Irmandade em suas viagens em São Paulo e Brasília.

CUSTOS
No final do ano passado, a Prefeitura de Penápolis enviou para a Câmara Municipal projeto que aumentou o valor de repasse de custeio para pouco mais de R$238 mil referentes a serviços que a Santa Casa de Misericórdia presta para o município.

Segundo o projeto dos valores repassados R$ 185, 5 mil é para custeio propriamente dito, além de R$ 3,7 mil de prestação de serviços de fornecimento de material cirúrgicos, de R$ 19,4 mil de contrapartida do município no Pró Santa Casa, além de R$ 30 mil de prestação de serviços de esterilização.

SUSTENTÁVEIS
Com a obtenção de todas as certidões, a Irmandade também entrou no programa do governo do Estado de São Paulo – Santas Casas Sustentáveis, que viabilizará novos recursos para a manutenção da entidade.

“Com toda certeza todas essas ações reduzirá sensivelmente o passivado a prefeitura, mas que acaba sendo administrado por nós. Neste período teremos muito cuidado, pois tivemos ajuda de todo o corpo administrativo, técnico e de serviços nos ajudando a obtenção dessas certidões”, finaliza.

Grupo de Escoteiros torna-se exemplo de ética e amor a pátria a crianças e jovens

Mais de 30 adolescentes participando nas atividades na sede dos escoteiros, que aprendem desde a medição de rio, como, produzir fogo em meio a emergência
Um dos chefes Leandro Rodrigues (abaixo) ao lado dos escoteiros e das escoteiras onde desenvolve atividades de utilidade para os jovens
Criado em 1997, o Grupo de Escoteiros São Francisco de Assis foi criado em meio ao ECC – Encontro de Casais com Cristo da Igreja Católica. Daí então a homenagem ao padroeiro penapolense.

De acordo com João Paulo Beneciuti, um dos chefes dos escoteiros de Penápolis explica que mesmo o grupo tendo um nome com uma figura símbolo de uma religião, não faz distinção.
“Embora tenhamos um nome de santo, não fazemos distinção de religião, podemos ser católicas, evangélicos ou espíritas nós aceitaremos e a respeitaremos dentro do grupo”. 
Atualmente com 30 escoteiros na tropa, a intenção é divulgar as ações do grupo nas escolas públicas e particulares do município para que possam ser criados novas tropas. 
“Estamos com sede nova e isso nos motiva a criar novas tropas, atendendo novas crianças e podendo passar os valores que os escoteiros possuem”, explica o presidente Leandro Rodrigues. 
O Escotismo foi fundado pelo britânico Baden Powell, em 1907, e hoje é um movimento mundial, que trabalha a educação, o voluntariado, é apartidário e sem fins lucrativos. 
A sua proposta é o desenvolvimento do jovem, por meio de um sistema de valores que prioriza a honra, baseado na promessa e na lei escoteira, e através da prática do trabalho em equipe e da vida ao ar livre, fazer com que o jovem assuma seu próprio crescimento, tornar-se um exemplo de fraternidade, lealdade, altruísmo, responsabilidade, respeito e disciplina. 
Todo sábado, das 14h30 às 17h, na sede do antigo Semeando, o grupo se reúne para ensinar valores as crianças, adolescentes e jovens de idade entre 6 anos e meios a 14 anos que são divididos por equipes. 
A tropa dos Escoteiros fazendo atividades como rapel que estimula o exercício físico, mental e de autocontrole
A primeira turminha é chamados de lobinhos e lobinhas que são crianças de 6 anos e meios a 10 anos divididos em equipes com até 6 crianças, de ambos os sexos, onde participam de atividades e jogos voltados para a socialização e o entretenimento. Com constante atenção as crianças desenvolvem o comprometimento consigo e com as demais crianças da sua equipe.
Já a turma dos escoteiros vai de 11 à 14 anos de idade e são divididos em equipes, que também são chamados de patrulhas de até 8 jovens, onde participam de atividades e jogos voltados para a aventura. 
Neste caso, é oferecido um ambiente de responsabilidade, comprometimento, onde é apresentado uma hierárquica e democracia organizado e mantido por eles mesmos.
A também os jovens de 15 à 17 anos, que são chamados de seniores ou guias, e que participam de atividades e jogos voltados ao desafio e a auto superação, tendo um ambiente de maior esforço físico, de realização, cumplicidade e responsabilidade.
E os pioneiros ou pioneiras que divididos por interesse e desenvolvem atividades e projetos voltados as carências da comunidade e do grupo escoteiro.
“Nós somos um grupo de educação não formal, pois aqui, não damos diplomas, mas fazemos o complemento da educação do jovens, família, religião e pátria”, comenta João Paulo. 
Após o período de adaptação, os jovens tem que saber e seguir as leis do escoteiros para depois possam fazer a promessa, com uma solenidade, onde faz o hasteamento da bandeira brasileira, canta o hino nacional e profere: “Prometo pela minha honra fazer o melhor possível para: Cumprir meus deveres para com Deus e a minha Pátria, ajudar o próximo em toda e qualquer ocasião e obedecer à Lei Escoteira”. 
Durante os encontros os escoteiros aprende a sobreviver. “Quando vamos num acampamento, eles tem que fazer a comidinha deles, tem que lavar prato, sabe se virar e a gente cobra isso deles, inclusive o desempenho dentro da escola, pois, se estiver mal não vai participar de atividades”, salienta João Paulo. 
Segundo relatos dos próprios pais, o desempenho dos filhos após o trabalho com os escoteiros melhorou muito. “Nós fazemos um trabalho, onde ensina o jovens a sobreviver, criando um espírito de cooperação de liderança”. 
Momento em que o jovem profere as palavras de promessa tornando-se um escoteiro
Leandro lembra também que o escotismo prega o aprendizado pela prática, pela ação, valorizando o treinamento para a autonomia baseado na autoconfiança e iniciativa, desenvolvendo os hábitos da observação e dedução. 
“Eles aprende na prática como faz, por exemplo, ensinamos eles como fazia para medir um rio ou como se faz um fogo. São coisas que ajudarão na sobrevivência enquanto indivíduos e  membros de um grupo”, comenta. 
O Grupo de Escoteiros São Francisco de Assis se reúnem todo sábado, neste ano, a partir de 7 de fevereiro, no antigo Semeando, na Rua Getúlio Vargas, 241, das 14h30 às 17h. 
Para conhecer mais o trabalho desenvolvido do grupo e ou para fazer a inscrição de seu filho basta entrar no site www.escoteiropenapolis.com.br. 

Conheça os conceitos inerentes à Lei Escoteira 

Honra, integridade, lealdade, presteza, amizade, cortesia, respeito e proteção da natureza, responsabilidade, disciplina, coragem, ânimo, bom-senso, respeito pela propriedade e autoconfiança.
Quando Baden Powell idealizou a Lei Escoteira, decidiu não estabelecer leis proibitivas, mas conceitos para formação de pessoas benévolas, para que, desta forma, o jovem escoteiro tivesse onde se espelhar e pudesse se orientar.
1. O ESCOTEIRO TEM UMA SÓ PALAVRA; SUA HONRA VALE MAIS DO QUE A PRÓPRIA VIDA.
“A Honra para um Escoteiro é ser digno de toda confiança. Como um Escoteiro, nenhuma tentação, por maior que seja, e embora seja secreta, irá persuadi-lo a praticar uma ação desonesta ou escusa, mesmo muito pequena. Você não voltará atrás a uma promessa, uma vez feita. A palavra de um Escoteiro equivale a um contrato. Para um Escoteiro, a verdade, e nada mais que a verdade.” 
2. O ESCOTEIRO É LEAL.
“O Escoteiro é leal à Pátria, à Igreja, às autoridades do governo, aos seus pais, seus chefes, seus patrões e aos que trabalham como seus subordinados. Como um bom cidadão, você é de uma equipe, jogando o jogo honestamente, para o bem do conjunto. Você merece a confiança do governo de sua pátria, do Movimento Escoteiro, dos seus amigos e companheiros de Patrulha, de seus patrões ou de seus empregados, que esperam que você seja correto, fazendo o melhor possível, em benefício deles, ainda quando eles não correspondem sempre bem ao que você espera deles. Além disso, você é leal também a si mesmo; você não quer diminuir seu respeito a si mesmo jogando mal de propósito; nem vai querer decepcionar ou ficar em falta com outro homem, nem, tampouco, com outra mulher.” 
3. O ESCOTEIRO ESTÁ SEMPRE ALERTA PARA AJUDAR O PRÓXIMO E PRATICA DIARIAMENTE UMA BOA AÇÃO.
“O dever do Escoteiro é ser útil e ajudar a todos. Como Escoteiro, seu mais alto objetivo é servir. Você deve merecer a confiança de que, em qualquer ocasião, estará pronto a sacrificar tempo, trabalho, ou, se necessário, a própria vida pelos demais. O sacrifício é o sal do serviço.”
4. O ESCOTEIRO É AMIGO DE TODOS E IRMÃO DOS DEMAIS ESCOTEIROS.
“É amigo ou irmão, não importando a que país, classe ou credo o outro possa pertencer. Como Escoteiro, você reconhece as demais pessoas como sendo, com você, filhos do mesmo Pai, e não faz caso de suas diferenças de opinião, casta, credo ou país, quaisquer que elas sejam. Você domina os próprios preconceitos e procura encontrar as boas qualidades que tenham; o defeito deles qualquer um pode criticar. Se você põe em prática esse amor pelas pessoas de outros países e ajuda a fazer surgir a paz e a boa vontade internacionais, isto será o Reino de Deus na terra. O mundo inteiro é uma fraternidade.” 
5. O ESCOTEIRO É CORTÊS.
“Como os antigos cavaleiros, você, sendo um Escoteiro, é, sem dúvida, polido e atencioso com as mulheres, velhos e crianças. Mas, além disso, você é polido mesmo com aqueles que estão contra você. Aqueles que têm razão, não precisam perder a calma; aqueles que não têm razão, não podem se dar ao luxo de perdê-la.”
6. O ESCOTEIRO É BOM PARA O ANIMAIS E AS PLANTAS.
“Você reconhecerá como companheiras as outras criaturas de Deus, postas, como você, neste mundo, durante certo tempo, para gozar suas existências. Maltratar um animal é, portanto, um desserviço ao Criador. Um Escoteiro deve ter um grande coração.”
7. O ESCOTEIRO É OBEDIENTE E DISCIPLINADO.
“O Escoteiro obedece, de boa vontade, sem vacilar, às ordens de seus pais, Monitores e Chefes. Como Escoteiro, você se disciplina e põe-se, profunda e voluntariamente, às ordens das autoridades constituídas, para o bem geral. A comunidade mais feliz é a comunidade mais disciplinada; a disciplina, porém, deve vir do íntimo, e nunca ser imposta de fora. Por isso, tem um grande valor o exemplo que você der aos demais nesse sentido.”
8. O ESCOTEIRO É ALEGRE E SORRI NAS DIFICULDADES.
“Como Escoteiro você será visto como o homem que não perde a cabeça e que aguenta qualquer crise com ânimo alegre, coragem e otimismo.” 
9. O ESCOTEIRO É ECONÔMICO E RESPEITA O BEM ALHEIO.
“Como Escoteiro, você olhará para o futuro e não irá dissipar tempo e dinheiro com prazeres do momento, mas, ao contrário, fará uso das oportunidades do momento tendo em vista o futuro sucesso. Você fará isso com a idéia de não ser um ônus, mas uma ajuda para os demais.” 
10. O ESCOTEIRO É LIMPO DE CORPO E ALMA.
“O Escoteiro é limpo em pensamento, palavra e ação. Como Escoteiro, espera-se que você tenha não só uma mente limpa, como também uma vontade limpa; seja capaz de controlar quaisquer tendências intemperadas do sexo; dê um exemplo aos demais sendo puro, franco, honesto em tudo que pensa, diz ou faz.” 

Primeiros sinais para a regulamentação da mídia

Ricardo Berzoini, novo Ministro das Comunicações
Um dia após a cerimônia de posse que reconduziu Dilma Rousseff à Presidência da República, o novo ministro das comunicações, Ricardo Berzoini, deu sinais de que haverá sim a regulamentação dos meios de comunicações.
Sem dúvidas essa é uma abertura que os movimentos sociais que militam no assunto aguardavam de um ministro de estado. Segundo ele, é fundamental a garantia da liberdade de expressão, pois, somente assim constrói uma democracia plena.
“Vou procurar conduzir este ministério da mesma maneira que na SRI (Secretaria de Relações Institucionais), com portas do gabinete abertas para o diálogo, com amigos parlamentares, com os movimentos sociais, empresários, sindicalistas. Mas abertas também para as discussões fundamentais, inclusive a garantia da mais livre liberdade de expressão, para continuarmos a construir uma democracia mais plena em nosso país”.
Desde a realização da 1ª Conferência de Comunicação que nós, ativistas dos meios de comunicações desejamos um ministro aberto ao diálogo e disposto de colocar a proposta da regulamentação na mesa e discutir com os diversos setores da sociedade, afinal de contas, nós só queremos a regulamentação do que está na Constituição Federal.
“Vamos fazer o processo com tranquilidade, sem pressa. Vamos trabalhar com o conceito amplo de democracia. Vamos ouvir todas as propostas. Se houver participação popular, faremos um bom trabalho”
Se todas as camadas da sociedade estiver dispostas, principalmente, a sociedade civil organizada nós ganharemos essa batalha inclusive dentro do Congresso Nacional – local de onde haverá de sair a regulamentação.
Tenho certeza que nós estamos dispostos e esperamos profundamente que essa sinalização não seja um mero discurso daquele que entra em um novo ministério com fôlego juvenil, mas, que a caminhada seja em passos firmes rumo a efetivação de um direito constitucional.
“A população brasileira já tem direitos constitucionais assegurados que dependem de regulamentação. Então regulamentar esses três artigos é uma das formas de nós podermos avançar na liberdade de expressão, na democratização da comunicação no Brasil”