fbpx

ADOÇÃO: ESCOLHA AMOROSA QUE TRANSFORMA VIDA DE PAIS E FILHOS

Exemplo de pessoas que desejam expressar o amor através da adoção; Em Penápolis, existem uma criança para cada três pretendentes 
Em mais uma das noite, Elmo ao colocar sua filha Juliana para dormir começou a lhe contar uma história – “Era uma vez, uma família que tinha uma criança. Essa criança não tinha nascido da barriga da mamãe, mas o amor era o mesmo”, logo ele foi interrompido e a voz doce e suave de “Ju” disse: “Sou eu papai?”.  
Essa é história da hoje mulher Juliana Soares de Oliveira Sorroche, 26, que fora adotada pelo casal Lúcia de Fátima Soares de Oliveira e Elmo José Paes de Oliveira. 
Há 26 anos, o casal teve a sorte de adotar Juliana com alguns dias de nascimento e pode compartilhar das alegrias que a pequena menina trouxe a casa. 
“Foi uma alegria só, alguns meses antes descobri que não poderia ter filhos e a vinda da Juliana foi o que eu precisava. Eu tive a benção de ter uma prima com um filho da mesma idade e ela me passava um pouco do seu leite materno, mas com o tempo o fato de ser mãe me fez produzir leite, mas não pude amamentá-la”, comenta. 
Lúcia e Elmo sofreram certa pressão de seus familiares para que não comentassem com a menina que ela seria adotada. “Não tinha o porque não contar, pra gente era natural contar isso a ela, não precisava esconder. Todos achavam que ela era minha filha, mas na verdade quando nasceu a criança, nasceu a mãe dentro de mim”. 
Mesmo após contar sobre a adoção a Juliana e principalmente quando ela chegasse a adolescência, o casal esperava uma reação esperava em casais que adotam crianças – a revolta. “A Juliana tem uma personalidade diferente da minha, mas isso, não impediu de termos uma convivência harmoniosa dentro de casa”, disse Lúcia. Já Elmo lembra que em certo momento, perguntou a menina se poderia adotar outra criança. “Surpreendentemente ela disse não, pois, teria que dividir tudo com ela”, lembra. 
Há cinco anos, outra reviravolta. Juliana estava num salão de beleza e conversando com outra cliente descobriu que era prima de um irmão sanguíneo que ela nunca conhecera. 
Atualmente, Juliana conhece e convive com seus pais biológicos e seus sete irmãos – Paula, Elker, Flávio, Alan, Aline, Anderson  e Paulo. “O primeiro contato foi no Forféia e de lá pra cá não nos desgrudamos mais. Hoje eles fazem parte da minha vida. Há um ano eu casei e todos eles vieram para meu casamento e alguns deles padrinhos”. 
Juliana é casada com o mecânico Fernando César Sorroche Pavan e está grávida de seis meses de Alícia, a primeira filha do casal. 
REALIDADE
Mas essa não é a realidade de muitos brasileirinhos, pois, para cada criança esperando ser adotada, existem seis pretendentes procurando um filho ou uma filha. Ainda assim, cerca de 5,6 mil crianças e adolescentes ainda esperam em abrigos para serem adotados. 
Questões, como a demora nos processos judiciais e as restrições feitas pelos candidatos a pais, ajudam a explicar o porquê dessa realidade discrepante. 
Muitas das vezes é difícil encontrar uma criança que se encaixe nos padrões desejados pelos futuros pais, pois há uma alta exigência dos que querem adotar – a preferência é por meninas brancas de até três anos de idade. No entanto, para essas crianças cada dia a mais longe de um lar é determinante nas suas vidas.
Em Penápolis, por exemplo, existem nove crianças e adolescentes no Cadastro Nacional de Adoção aptas para serem adotadas. Sendo que, quatro da cor branca, três negras e duas pardas, com idade entre 6 anos e acima de 15 anos. Ao passo que existem 21 casais cadastrados na comarca. 
Esse dado é alarmante, pois, a reportagem do INTERIOR pesquisou outras comarcas da região e constatou que nenhuma tem tantas crianças na fila de adoção. Em Araçatuba e Lins, 5 crianças estão na lista. Andradina, Birigui e Rio Preto registram 0, 1, 2 casos respectivamente. 
PROCESSO ADOTIVO
Para que a criança se torne apta à adoção é necessário que um juiz destitua o poder familiar dos pais e isso só ocorre após um processo de avaliação. 
A destituição só ocorre em casos em que existe o abandono completo por parte da família, a reiteração da prática da negligência ou casos de violência grave, como abuso sexual, tortura e maus-tratos. 
Com isso, geralmente, as crianças vão para o acolhimento institucional após a suspensão do poder familiar por negligência ou abuso cometido pelos responsáveis. Durante o tempo no abrigo, elas devem ser avaliadas junto com suas famílias e acompanhadas por psicólogos, assistentes sociais e outros agentes para garantir a reinserção no núcleo familiar. 
Mas a complexidade que carrega o processo de destituição do poder familiar tende a ser longo, os processos de destituição familiar pode impactar profundamente a trajetória das crianças e adolescentes. 
Na outra ponta, futuros pais passam por diversas etapas para serem habitados e assim ingressar na lista de pretendentes do Cadastro Nacional de Adoção. 
É o caso do casal Alessiane Ferreira dos Santos e Silnomar Alves de Almeida que completou dois anos e meio e ainda não foram habilitados pela justiça. 
“Eu já estou casada há quatro anos, meu desejo sempre o foi de ter um filho adotivo, por isso mesmo que pretendermos entrar na lista de habilitados do Cadastro Nacional de Adoção”, salienta Alessiane. 
Ela comenta ainda que a primeira etapa foi preencher a ficha de inscrição, onde se coloca as informações pessoais, as preferências da possível criança a ser adotada, além de fotografar toda a casa. “Após fazer todo esse processo a assistente social faz uma visita para conhecer a nossa casa e nos libera para a segunda etapa que são testes – cardiológicos e neurológicos”. 
Na terceira etapa é realizada o curso preparatório e depois uma avaliação com a psicóloga no poder judiciário. Entre os pré requisitos para adotar uma criança são determinados pela família. “Nós escolhemos uma menina ou um menino, de idade entre 0 a 5 anos e de cor branca e que poderão vir de qualquer um dos oito estados do Brasil – Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, Goiás  e Minas Gerais”, finaliza. 

Cadastro Nacional de Adoção cruza informações dos estados

Para celebrar o Dia Nacional da Adoção que acontece amanhã (25), a Corregedoria Nacional de Justiça, lançou no último dia 12, o novo Cadastro Nacional de Adoção que tem por objetivo agilizar os processos de adoção por meio do mapeamento de informações unificadas. O cadastro irá possibilitar ainda a implantação de políticas públicas na área.
As  mudanças têm a intenção de tornar o cadastro mais  moderno, simplificado  e proativo, facilitando-se o preenchimento pelo juiz e o cruzamento de dados entre os pretendentes e as crianças de  todo o Brasil. 
Atualmente, o Cadastro Nacional de Adoção contabiliza em seus registros  33,6 mil pretendentes e cerca de 5,7 mil crianças em busca de uma nova família, afinal, acreditam que de uma hora para a outra vai aparecer a mãe, o pai ou a família dos seus sonhos. 
A nova tecnologia permitirá que o juiz seja informado, assim que preencher o cadastro de uma criança, sobre a existência de pretendentes na fila de adoção em busca daquele tipo de perfil. O mesmo ocorrerá quando o magistrado cadastrar novo pretendente, recebendo imediatamente a notificação da existência de crianças com as características desejadas.
De acordo com o Conselho Nacional de Justiça, a inovação funcionará, inclusive, nos casos de crianças e pretendentes cujos processos estejam tramitando em varas de comarcas diferentes. Nessas situações, sempre respeitando a precedência na fila de adoção, os juízes responsáveis serão notificados eletronicamente para que entrem em contato um com o outro e, assim, deem prosseguimento à adoção.

INTERNET É CELEBRADA E LEMBRADA COMO ALGO INDISPENSÁVEL NOS TEMPOS ATUAIS

Uma das principais invenções da humanidade, a internet é comemorado hoje fazendo alusão  ao poder de comunicação que ela proporciona 
Você vive sem internet hoje? Você lembra como era sua vida sem a internet? Ou você é da faixa dos 30 anos que já nasceu com o advento na internet, mas, que presenciou a transição do analógico para o digital? Essas questões nós faz refletir todos os dias. 
Muito provavelmente essa matéria não seria realizada com a rapidez e a praticidade que ela [a internet] nos proporciona. Todos os entrevistados dessa reportagem – a blogueira Mirela Ortega, o web designer David Willian, o economista Lucas Sablewski e o psicólogo Júlio Ribeiro foram “ouvidos” via internet. 
Mas você sabe o que é a internet? A Internet é um sistema global de redes de computadores interligadas que utilizam o conjunto de protocolos padrão da internet que serve vários bilhões de usuários pelo mundo afora.
Ela é uma rede de várias outras redes, que consiste de milhões de empresas privadas, públicas, acadêmicas e de governo, com alcance local e global e que está ligada por uma ampla variedade de tecnologias de rede eletrônica, sem fio e ópticas. 
Entre os estudiosos da internet não há um consenso sobre a data exata em que ela surgiu, mas foi em algum momento em meados da década de 1980, mas a sua comercialização se deu na década seguinte, incorporando a rede internacional em praticamente todos os aspectos da nossa vida. 
A internet permitiu e acelerou a criação de novas formas de interações humanas através de mensagens instantâneas, fóruns de discussão e redes sociais, fazendo com que a maioria das comunicações tradicionais como – telefone, música, cinema e televisão, mas também, jornais, livros e outras publicações impressas sejam redefinidas pela internet. 
Não é a toa que em junho de 2012, mais de 2,4 bilhões de pessoas – pouco mais de um terço da população mundial — usaram os serviços da internet; cerca de 100 vezes mais pessoas do que em 1995. 
Para o web designer David Willian, de 22 anos, um aficionado pela internet é um dos bilhões de pessoas que usam dela como a principalmente ferramenta de seu trabalho, aliás, sem ela tal função nem existiria. 
“Os meus primeiros passos na internet foi nos computadores da biblioteca municipal. Na época eu tinha 11 para 12 anos e como não podia usar sozinho, minha avó fez o cadastro e eu acessava na companhia dela”.  
Hoje David não se vê sem a internet, pois, o que mais lhe chama a atenção é o desenvolvimento comunicacional que internet proporcionou a todos. 
“Não muito distante, as principais ferramentas de contato era a carta e o telefone. A carta, por exemplo, foi substituído pelo e-mail. Já o telefone existem diversos aplicativos de voz que substitui uma ligação”. 
Da curiosidade surgiu o trabalho, pois, foi em fóruns de jogos a primeira oportunidade de emprego. “Trabalhava moderando um fórum. Na época era a realização de um sonho ganhar dinheiro e ainda poder ganhar status no jogo. Hoje eu vejo aquilo como diversão”. 
De lá pra cá, depois dos interesses por imagens começou a trabalhar com web designer fazendo layouts, imagens para sites de empresas da cidade. Perguntando se viveria sem internet David respondeu: Viveria sim, mas não pretendo. 
É o mesmo caso da blogueira Mirela Ortega, que acha que viveria sim, pois, a internet é apenas uma ferramenta para agregar. “Só acho que se não tivesse ela o ser humano iria inventar outro tipo de inovação”. 
Para ela, a internet como tudo na vida tem o lado bom e ruim. Segundo ela, a rede mudou sua vida tanto na praticidade do dia a dia quanto no trabalho. 
“Pelo fato de trabalhar com a internet conheci diversas pessoas, de longe, de perto, conheci várias empresas e tive a oportunidade de ganhar dinheiro com ações publicitárias” e continua: “Sou da época em que não se tinha internet e consigo perceber como facilitou nossa vida. Temos acesso rápido a qualquer assunto que fizermos e conseguimos de fato resolver nossa vida pela simples tela de nosso celular e essa tal de internet”. 


E-COMMERCE
Segundo o economista Lucas Sablewski, que trabalha na área desde 2009, o e-commerce é um negócio como outro qualquer, mas que tem as diferenças de uma empresa convencional.  
“Esses tipos de lojas requer mão de obra qualificada e estrutura diferente de uma loja física. O contato do cliente com o produto é apenas visual, mas ter um a boa conduta e reputação e essencial, pois, é um seguimento q cresce acima da média da economia”. 
Para ele este mercado esta em crescimento. “Estamos otimista com o futuro. Tenho loja virtual de informática e vestuário. No setor de informática, por exemplo, já está bem enraizado na cidade e região”. 
Lucas salienta ainda que é difícil encontrar alguém que ainda não tenha comprado pela internet. “Já existem em Penápolis empresa de alimentação que aceita o pedido pelas redes sociais, sendo um comércio destinado apenas para o público local. 
O segmento de vendas pela internet apresenta um crescimento acima de 25% ano após ano no Brasil. E apesar do cenário de crise no País, o e-commerce deverá crescer mais de 20%.

Psicólogo alerta sobre o uso de internet principalmente para crianças e adolescentes

É Indiscutivelmente que a internet é uma ferramenta que agrega em si inúmeras vantagens para a convivência entre as pessoas por mais distantes que estas estejam. Poder conversar em tempo real com um parente em outro país, realizar pesquisas em grandes bibliotecas virtuais, poder comprar as mais diversas mercadorias sem sair de casa são apenas alguns dos benefícios que a internet trouxe à vida moderna.
Por outro lado, o mau uso desta importante ferramenta pode trazer prejuízos ao desenvolvimento humano principalmente em crianças e adolescentes. 
Para o o psicólogo clínico e aluno do programa de mestrado em Psicobiologia da USP – Ribeirão Preto, Julio Ribeiro o uso errado pode ser prejudicial. 
“O uso da internet, como o de qualquer outra tecnologia, pode se tornar prejudicial quando não há limite do tempo que se dispõe a ela.”, explica 
Para Julio, existem três importantes cuidados que se deve tomar com crianças e adolescentes que utilizam frequentemente a internet:
O vício na internet: “Na literatura, há diversos estudos que relacionam a dependência da internet como o da dependência química, pois em ambos os casos são estimuladas as mesmas áreas cerebrais mudando apenas o estímulo desencadeador da dependência.”, comenta o psicólogo que estuda a relação dos processos mentais com o comportamento humano. 
Os perigos do anonimato: “Com o advento da internet, vários casos de pedofilia e cyberbullying (bullying pela internet) foram e são cada vez mais notificados. O anonimato nas redes sociais através de um perfil falsos, por exemplo, provavelmente contribui para a facilidade do ato de se denegrir a imagem de alguém ou o compartilhamento de material impróprio.”.
A falsa socialização: “Muitos adolescentes acreditam que uma rede social com centenas, milhares de ‘amigos’ é sinônimo de socialização ou até mesmo de status. Apesar de acreditar que hoje não existe mais distinção de vida real e vida virtual, ainda vejo como imprescindível para um desenvolvimento saudável de crianças e adolescentes a vivência, as experiências corpóreas e sinestésicas que são incapazes de serem experimentadas através de um monitor.”.
Para ele é difícil imaginar como seria a vida hoje sem as facilidades proporcionadas pela internet. Seja para o entretenimento através de jogos ou passatempos até para a conversação e troca de informações no momento em que elas ocorrem.
“Sem dúvida que as redes sociais trouxeram novas formas de se relacionar e de unir ou desunir pessoas. A própria psicologia, com as devidas precauções, pode usar do Skype para realização de atendimentos de orientação psicológica entre psicólogo-paciente que se encontram distantes. Algo que aconteceu com seleção brasileira de futebol durante a Copa das Confederações em 2013″. E completa: “Com os devidos cuidados apontados, é possível que crianças e adolescentes possam usufruir de forma sadia os seus benefícios e ter tempos agradáveis frente monitores, telas ou smartphones”, finaliza. 

PENÁPOLIS REGISTRA PRIMEIRO CASO DE MENINGITE BACTERIANA

A Prefeitura de Penápolis através de sua assessoria de comunicação enviou nota a imprensa informando o aumento no número dos casos de meningite no município. De acordo com Secretaria Municipal de Saúde, por intermédio do SVE (Serviço de Vigilância Epidemiológica), há 12 casos confirmados, sendo que, a maioria é compatível com o diagnóstico de meningite viral. 
Entretanto, foi confirmado o primeiro caso de meningite bacteriana, sendo que o paciente segue internado e com boa evolução. Ainda existem cinco pacientes aguardando resultados de exames, que estão sendo feitos no Laboratório Adolpho Lutz, em Araçatuba. 
BACTERIANA 
A assessoria informa que no primeiro caso de meningite bacteriana foi descartada a meningite meningocócica, que é o tipo mais grave da doença. E por se tratar de meningite por meningococo, não há necessidade de bloqueio e ou interdição de ambientes como as escolas, conforme prevê protocolos da Secretaria de Estado da saúde. Segundo o SVE a maioria dos pacientes já teve alta e voltou a exercer suas atividades normalmente. 
SINTOMAS
Os sinais e sintomas de meningite podem surgir repentinamente: febre, dor da cabeça, rigidez ou dor no pescoço, náuseas e vômitos. Mudanças de comportamento como confusão, sonolência e dificuldade para acordar podem ser sintomas importantes. Em bebês, os sintomas podem ser febre, irritação, cansaço e falta de apetite. Sempre que alguém apresentar esses sintomas, deve procurar imediatamente uma unidade de saúde e iniciar o tratamento o mais rápido possível.
PREVENÇÃO
O Serviço de Vigilância Epidemiológica orienta que as medidas de prevenção são baseadas principalmente em higiene e limpeza, além da importância de manter ambientes arejados. São medidas preventivas:
  • Higiene pessoal: lavar as mãos por diversas vezes (antes de se alimentar, após usar o banheiro, depois de espirrar e tossir); utilizar preferencialmente toalhas descartáveis para enxugar as mãos;
  • Higiene Ambiental: manter os ambientes limpos e arejados, lavar banheiros com solução clorada duas vezes ao dia, evitar o uso de ar condicionado;
  • Higiene dos alimentos: lavar e desinfetar alimentos como frutas e verduras;
  • Higiene de utensílios e equipamentos: evitar o uso de bebedouro coletivo à pressão, utilizar copos descartáveis, desinfetar filtros e bebedouros com solução clorada, utensílios de uso individual como escovas, chupetas, mamadeira e mordedores devem ser separados.

DIÁRIO DE UM DENGOSO

O relato intrigante de um blogueiro e seu tenebroso martírio do mosquito Aedes aegypti
 
Redação do Jornal Interior | 27 de fevereiro, às 15h
Eu: Vandressa, está me dando calafrios…
Vandressa: Ué, será que você está com dengue?
Eu: Pelo amor, Vandressa! Será!? Vê se eu estou com febre?
Meu quarto | 28 de fevereiro, às 4h
Mãe: Meu filho acorda você está com quase 40 graus;
Eu: E o que eu devo fazer minha mãe?
Mãe: Acho que nós devíamos ir no Pronto Socorro!
Eu: Mas eu só vou se a ambulância me buscar.
Pronto Socorro | às 4h15
Médico 1: O que você tem?
Eu: Febre, dor no corpo, nas articulações […]
Médico 1: É dengue!
Eu: Como?
Médico 1: É dengue! Vai lá tire sangue e depois descanse bastante, ok?
Alguns minutos depois…
Enfermeira: Ricardo Faria! [me apresento] Vamos tirar o sangue?
Eu: Precisa mesmo?
Enfermeira: Sim. […] Agora retorne por volta da meio dia e pegue seus exames.
Posto de Saúde | às 14h45
Médico 2: Ricardo suas plaquetas estão normais. Os seus sintomas são de dengue, mas o exame não constatou ainda. Tome um soro e volte para casa e descanse bastante, ok!?
Em casa | às 20h33
(No telefone com minha amada Amanda)
Eu: Amor, por favor vem pra cá ficar comigo? Eu estou morrendooo…
Amanda: É… tá com dengue é?
Eu: É estou. Eu nunca mais vou ficar te zuando amor. Agora eu sei o quanto a dengue é um horror.
Meu quarto | 1º de março | às 06h
Eu: Mãe vomitei
Mãe: Mas meu filho você acabou de comer um pãozinho
Em casa | 2 de março
(Descansando bastante…)
…E vo […]
Em casa | 3 de março
(Descansando bastante…)
… mi […]
Em casa | 4 de março
(Descansando bastante…)
… tan […]
Em casa | 5 de março
(Descansando bastante…)
…E dooooo!
E a única coisa que eu pensava era…
Será que nosso alcaide já pegou dengue?
Ricardo Faria, 33, é jornalista, blogueiro e ativista social, natural de São Paulo – Capital, mora atualmente em Penápolis. É São-Paulino de coração e Penapolense de adoção. E assina o Blog do Faria – www.ricardofaria.com.br

CULTURA APOTEÓTICA

O encontro de todas as artes. Não é à toa que brilhantemente o SESC ao definir o tema coloca – Conectando Lugares, Circulando Ideias. O que aconteceu hoje na Praça Carlos Sampaio Filho foi apoteótico. Artistas de São Paulo, Brasília e da Argentina sentiu-se em casa. Parecia que tinha bebido um pouco das águas do Maria Chica. 

Grandes bailarinos, palhaços, recitadores e músicos trouxeram em si o melhor da arte brasileira e latina americana. Que nos tirou da zona de conforto e nos colocando num patamar que só a arte pode nos levar. 

No meio da tarde, as estruturas do “Leve Livro”, onde você podia levar um livro e trocar com o que estava na estante e “Dulcineia Catadora”, que montou ao ar livre uma oficina para quem quisesse montar seu livro de papelão, costurá-lo e  levá-lo para a casa. 

Também teve a apresentação das Cias. Silensiosas + GT´AIME de São Paulo que explorou todos os cantos da praça. Desde o ponto de ônibus, bancos, luminárias, coqueiros e a fonte luminosa, mostrando que o movimento não tem limites. 

Chacovachi usa as referências do cotidiano brilhantemente. Um palhaço que através de seus espetáculo fez críticas contundentes a política, a morte, ao poder e ao amor. Tanto é que em certo momento da apresentação uma mãe chamou o menino e diz: “Vamos embora que isso não é palhaço não”. Logo no inicio, ele autorizou uma mulher sentar na cadeira, desde que assim que o prefeito chegasse ela cederia o assento. Estamos até agora o prefeito chegar! 

E Ellen? Ellen Oléria com sua multiplicidade de identidades de resistências – jovem compositora, negra periférica e lésbica subiu ao palco e nos presenteou com uma apresentação ímpar, capaz de nos tirar do chão literalmente. Com as batidas do Rap, Funk, Levadas Crioladas, Forró propõe  Afrofuturista em um novo futuro para a raça negra. Isso é Ellen Oléria.

Quem não foi perdeu a oportunidade de embebedar-se com o melhor das artes. Já para quem foi nos resta sentir saudades e esperar 2016. O que você achou? 

SURTO DE MENINGITE VIRAL EM PENÁPOLIS

Como já não bastasse os mais de 3.500 casos de dengue (isto é os dados divulgados pela Prefeitura de Penápolis), a Secretaria Municipal de Saúde, por intermédio do Serviço de Vigilância Epidemiológica, divulgou na tarde de hoje o aumento no número de casos de meningite viral. 
De acordo com a assessoria de comunicação da administração municipal, desde o início deste ano, foram registrados 11 casos de meningite viral, sendo um caso no mês de janeiro e 10 casos no último mês, dos quais são crianças com idade entre dois a 11 anos. O que classifica até o momento como um surto de meningite viral. 
A nota explica ainda que até o momento estes casos foram diagnosticados como meningite viral que tende a ter cura na maioria dos casos. Sendo menos grave do que a meningite bacteriana.
A meningite viral é uma infecção causada por vírus que atinge a membrana que envolve a medula espinhal e o cérebro. É causada pelo enterovírus que se encontram na garganta e fezes das pessoas infectadas. O período decorrido entre a exposição ao enterovírus e o aparecimento dos sintomas é de 7 a 14 dias em média.
A meningite tem como sintomas: febre de início repentino, dor de cabeça, vômitos, rigidez de nuca ou dor no pescoço, sonolência importante e ou irritação, confusão. Em recém-nascidos e lactentes, os únicos sinais e sintomas de meningite podem ser febre, irritação, cansaço e falta de apetite. 
Conheça as principais medidas de prevenção da meningite
  • Limpeza e higiene são os fatores principais para a prevenção da doença;
  • Lavar as mãos com água e sabão. Para uso coletivo o sabão deve ser preferencialmente líquido. Ao secar as mãos, prefira toalhas descartáveis a toalhas de tecido;
  • Manter os ambientes sempre limpos e arejados e evitar o uso de ar condicionado;
  • Lavar os banheiros no mínimo 2x por dia, com solução clorada;
  • Lavar e desinfetar os alimentos, como frutas e verduras, com solução clorada;
  • Evitar o uso de bebedouros coletivos à pressão.

Com informações da Secretaria de 
Comunicação da Prefeitura de Penápolis

apoie o jornalismo independente