fbpx

CARTA ABERTA AO PREFEITO DE PENÁPOLIS

Prestes a completar 60 dias de volta à Prefeitura de Penápolis, o radialista Célio de Oliveira (PSDB), está em rota de colisão com a imprensa.

No mês passado, após receber um ‘não’ extremamente educado do governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), com relação ao AME Cirúrgico, o prefeito vem dizendo reiteradamente que a ‘culpa é de parte da imprensa’, ‘que a imprensa é sensacionalista’ ou que a ‘imprensa faz um massacre em cima de seu governo’.

Pergunto: Prefeito, qual foi sua postura na rádio nos 130 dias que o prefeito interino ficou na prefeitura? Respondo! Foi massacre todos os dias, não perdendo a oportunidade de fazer críticas contundentes com relação ao governo interino.

Agora, expor que o prefeito entrou com diversas ações contra a própria prefeitura para requerer o pagamento de 13º e férias; ou que tivera suas contas de 2015 reprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado; ou que recebera multa de R$ 14,5 mil referentes a ação de improbidade; ou que aumentara em 10% o valor da água é fazer massacre?

Pelo contrário, você como um comunicador deveria ao menos conhecer o Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros, que em seu artigo 6, inciso II, diz que é dever do jornalista – divulgar os fatos e as informações de interesse público. Pois bem, algumas dessas informações acima não são de interesse público? A verdade é que você e seu governo não sabem lidar com a crítica.

Estou aqui para fazer o meu trabalho – o de informar! Se isso lhe desagrada, infelizmente, não posso fazer nada. Nem eu e creio que nenhum dos meus colegas de profissão iremos colocar nossa integridade profissional em jogo por você e por ninguém. Reitero, não estou aqui para lhe agradar.

Por isso mesmo é que vamos valer-se do direito a ter acesso à informação e denunciar possíveis manobras que seu governo venha a cometer.

Vide, por exemplo, as informações que pedimos no último dia 6, sobre os vazamentos do reservatório de água do Jardim do Lago V. Seu representante na autarquia tentou, possivelmente, impedir a divulgação da informação. Depois disso, sua assessoria de comunicação, após pedir mais tempo para fazer o levantamento de dados enviou release à imprensa, disponibilizando somente depois as informações solicitadas; Além disso, também houve as tentativas desesperadas de descobrir quais fontes teriam passado, a nós jornalistas, as informações sobre o aumento da água.

Por essa e por outras razões que vou continuar incessantemente na busca pela verdade e pela a transparência dos fatos, levando ao leitor um trabalho jornalístico pautado pela precisão na apuração e pela correta divulgação.

Governo anuncia data para volta dos gansos na Santa Leonor

A administração municipal já tem data para retornar com os gansos no Parque Santa Leonor. O anúncio foi feito por e-mail ao Blog do Faria. A informação é de que será no próximo sábado, dia 8, no período da manhã.

A assessoria de comunicação da Prefeitura de Penápolis, informou ainda que haverá apenas oito gansos no local e não disse nada sobre os patos. Além disso, diferentemente do que havia sido prometido pelo Prefeito Célio de Oliveira (PSDB), a administração não cercará o local.

Explicou ainda que a Secretaria Municipal de Saúde já observou uma diminuição no número de pombos. E que após a volta dos gansos, serão instaladas placas de orientação para que os visitantes não os alimentem, pois a oferta de alimento é um atrativos para os pombos.

Medidas
Há um mês, o prefeito Célio de Oliveira, publicou em sua página no Facebook, vídeo explicando quais seriam as medidas que a administração municipal iria tomar para o controle dos animais na margem do córrego Santa Leonor.

Entre elas, medidas sanitárias , a limitação do número de gansos e patos no local, o cerceamento de uma área para os animais e o controle de pombos estavam no cronograma anunciado.

Confira o vídeo:

Câmara de Vereadores aprovam dois projetos em sessão extraordinária. Confira!

Os vereadores da Câmara Municipal de Penápolis, aprovaram nesta segunda-feira (3), em sessão extraordinária, dois projetos de lei enviados pela Prefeitura de Penápolis.

O primeiro foi um pedido de autorização legislativa para que o município forneça mão-de-obra e materiais necessários a execução da automação da lavanderia da Santa Casa de Misericórdia de Penápolis. O valor das obras ficarão em pouco mais de R$ 4,2 mil. O projeto foi aprovado por unanimidade.

De acordo com a mensagem 42 enviado pelo prefeito de Penápolis, Célio de Oliveira (PSDB), a automação além de agilizar os serviços do hospital, poderia gerar receitas através de prestação de serviços efetuados a terceiros.

Na mensagem explica ainda que a compra de todo equipamento foi advinda de uma emenda parlamentar de R$ 200 mil. Mas, que antes da automação foi necessário refazer toda a rede elétrica do local, pois, não suportava o funcionamento.

O vereador Rodolfo Valadão Ambrósio (PSD) salientou que a emenda que possibilitou a compra dos equipamentos é de pelo menos cinco ou seis anos atrás e que somente agora estava efetivando a sua instalação.

Outro vereador do PSD, Júlio Caetano, lembrou que a caldeira (movido a lenha) é uma bomba relógio que a qualquer momento pode “estourar”. E lembrou de outros pedidos em favor dos funcionários do hospital – como a entrega de cestas básicas.

Já o vereador Francisco José Mendes, o Tiquinho (PSDB), lembrou que outros equipamentos, em outros governos tinham demorados mais de dois anos para também serem instalados e que esses equipamentos não eram diferentes. Em nítida tentativa de eximir o prefeito da culpa de não ter instalado antes.

Lar Vicentino

Outro projeto de lei aprovado por unanimidade foi o que corrigiu os valores de subvenções médicas para o Lar Vicentino. Passando os atuais R$ 8 mil/ano para R$ 113 mil/ano.

De acordo com o projeto de lei, a entidade que atende 56 idosos em caráter permanente tem um custo por idoso de pouco mais de R$ 1,7 mil e recebe do poder público municipal R$ 14,28 por idosos ao mês.

O Lar explicou ainda, em planilhas anexadas ao projeto, que somente na área da saúde são gastos mais de R$ 48,6 mil por mês, perfazendo 39% do total de despesas da entidade. Entre as despesas estão os salários da equipe de saúde, a compra de fraldas, medicamentos, de alimentação enteral e de material de enfermagem.

Prefeito diz que aumento garantirá investimentos na área do saneamento

O prefeito de Penápolis, Célio de Oliveira (PSDB), reconheceu na manhã de hoje (1), através de sua assessoria de imprensa, que os penapolenses são afetados pela crise econômica que assola o país, contudo, pensou na saúde financeira do Daep (Departamento Autônomo de Água e Esgoto de Penapolis) para conceder o aumento de 10% na tarifa da água. “Assim como os demais brasileiros, os penapolenses também são afetados pela crise econômica do Brasil. Temos no país o maior índice de desemprego já registrado”, afirma.

“Porém precisamos garantir os investimentos, melhorias e ampliação na rede de distribuição de água e coleta de esgoto. Para este ano, temos outro grande investimento, de cerca de R$ 1 milhão, com o início da construção do Reservatório do Pereirinha”, conclui o prefeito.

Aumento

A assessoria explicou ainda que para manter investimentos, o Daep reajustou a tarifa de água e esgoto em 10%, de acordo com o Decreto 5537/17. A medida entra em vigor a partir deste mês e é necessária para garantir os investimentos e melhorias no tratamento, distribuição e reservação de água.

Em junho, o Conselho Gestor de Saneamento havia aprovado um reajuste de 19,86%, referente à reposição inflacionária desde 2015, data da última correção. No entanto, após análise do governo municipal, foi definida a reposição somente da inflação de 2016, acrescida de um percentual de investimentos, o que totalizou 10% de reajuste.

Segundo o presidente do Daep, Edson Bilche Girotto, existem várias obras de melhoria da infraestrutra que deverão ser feitas, e o reajuste é fundamental para a sustentabilidade financeira da autarquia. “Para calcular o reajuste, foram analisados os crescentes aumentos dos custos operacionais. Isso inclui os aumentos da folha de pagamento e dos insumos para tratamento de água. Além disso, os gastos com a energia elétrica, a segunda maior despesa do Daep”, esclarece o presidente. (Com informações da Secom/PMP)

Foto: Alexandre Souza/Folha da Região

apoie o jornalismo independente