fbpx

Justiça julga improcedente ação que pede anulação da posse de Evandro Tervedo

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on telegram
Share on pinterest
Share on email
Share on print

A Justiça de Penápolis julgou improcedente ação do Partido da República (PR) contra o vereador Evandro Tervedo Novais (DEM), que pedia a anulação da diplomação e posse do parlamentar por possível ausência de desincompatibilização. Ainda cabe recurso.
 
Na sentença proferida pelo juiz de direito da 4ª vara, Dr. Heber Gualberto Mendonça, na última sexta-feira (24), diz que o pedido é exclusiva da esfera de interpretação do Regimento Interno da Câmara Municipal de Penápolis – “inserindo-se no âmbito dos atos interna corporis da Edilidade”, explica.
 
Mendonça salienta ainda que pelo regimento qualquer cidadão poderá denunciar ao órgão legislativo o descumprimento por vereador dos deveres institucionais/legais e que a própria Câmara julgaria politicamente o denunciado, cabendo apenas a intervenção da justiça o restabelecimento da ordem jurídica.  
 
“[…]Tratando-se de juízo político “interna corporis” reservado exclusivamente à Câmara Municipal para o qual se exige quórum qualificado e forma processual própria, de sorte que tais regras que disciplinam o acesso ao órgão legislativo municipal revestem-se de plena exigibilidade e, eventualmente descumpridas pelos seus destinatários, é que ensejaria a intervenção do Poder Judiciário para restabelecer a higidez da ordem jurídica violada […]”, diz na sentença.
 
O juiz condenou ainda o Partido da República a pagar os custos, as despesas processuais e os honorários advocatícios, em 10% do valor da ação de R$ 48 mil. Isto é, R$ 4,8 mil.
 
O Blog do Faria tentou falar com o presidente do PR, Cláudio Gomes Dias, o Tiradentes e com o vereador Evandro Tervedo Novaes (DEM), sobre a decisão da justiça penapolense, mas, ambos não foram encontrados.
 
Caso
Em janeiro, o Partido da República, do ex-vereador e presidente da Emurpe (Empresa Municipal de Urbanização de Penápolis), Cláudio Gomes Dias, o Cláudio Tiradentes, entrou na justiça comum com uma Ação Declaratória pedindo a nulidade da diplomação e posse, bem como, a cassação do mandato eletivo do vereador Evandro Tervedo Novaes (DEM), na época presidente interino da Câmara de Vereadores de Penápolis.
 
De acordo com a ação, as portarias de exonerações, especialmente, a de número 005 de 1º de janeiro, era fraudulenta. Isto porque no dia 4 de janeiro foram publicadas, em um jornal da cidade, as portarias de 01 a 11, faltando apenas as de números 05 e 12, exatamente as que exonerava e disponibilizava o então funcionário público Evandro Tervedo para a Câmara Municipal de Penápolis, respectivamente.
 
Na ação, assinada pelo advogado Dr. Edgard Antônio dos Santos, observava que no dia 1º de janeiro não teve expediente administrativo na Prefeitura de Penápolis e o que caracterizaria, em tese, infrações eleitoral, criminal e administrativa.
 
Além da cassação imediata, a ação pedia ainda que fosse concedida uma tutela de urgência, baseado no perigo de dano e no risco do resultado útil do processo e concessão de liminar.

Foto: Alexandre Souza/Folha da Região

ARQUIVADO EM:

Deixe sua opinião sobre o assunto...

COMPARTILHE ESTE POST

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on telegram
Share on pinterest