fbpx

CÂMARA ARQUIVA PEDIDO DE INVESTIGAÇÃO CONTRA VEREADOR JONAS CHAMARELLI

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on telegram
Share on pinterest
Share on email
Share on print

Em sessão extraordinária, convocada às pressas pelo presidente Alexandre Gil (PT), a Câmara Municipal de Penápolis arquivou hoje [21], pedido de instauração de processo de apuração de improbidade administrativa do mandato de vereador Jonas Chamarelli [PROS] por 6 a 4.

Os votos a favor ao arquivamento foram dos vereadores Rodolfo Valadão Ambrósio e Lucas Casella [PROS], Zeca Monteiro e José Santino [PT], Caíque Rossi [PSD] e Fabinho [PSDB]. Os contrários foram os vereador Professor Luís e Tiquinho [PSDB], Nardão Sacomani [DEM] e Ricardinho Castilho [PV]. Joaquim da Delegacia [PDT] se absteve.

[poll id=”1″]

Pedido

No dia 2 de dezembro, o cidadão Cristiano Alves Souza Cruz protocolou na Câmara Municipal de Penápolis e no Ministério Público do Estado de São Paulo em Penápolis, pedido de instauração de processo de apuração de improbidade administrativa do mandato de vereador Jonas Chamarelli [PROS].

O pedido salienta que o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo em seu relatório constatou um evidente excesso por parte do vereador em viagens custeadas pelo legislativo municipal. Além disso, contando com a incompatibilidade física com desempenho de sua função como de “vigia” na Prefeitura de Penápolis.

VOCÊ SABIA QUE O VEREADOR JONAS DO POVO JÁ RECEBEU MAIS DE R$ 9 MIL REAIS EM DIÁRIAS DE VIAGENS?

Cristiano observa ainda que os desvios de finalidades não são apenas os apontados. Ele explica que o vereador Jonas Chamarelli [PROS] tirou vantagens pessoais em detrimento à coletividade utilizando-se de funcionários, despesas postais e local público para realizar autopromoção, visando objetivos políticos.

Ele ainda apresentou a Câmara provas quanto as cartas enviadas utilizando o endereço de seu trabalho [Barracão do Projeto Incubadora], com letra de possíveis funcionários e provável uso de dinheiro público com envio das corespondências à seus eleitores. O terceiro item que Cristiano Alves pede para averiguar é um possível influência do vereador no Banco do Povo.

Cristiano lembrou ainda que a Câmara teria a chance de corrigir posicionamento anterior [quando também arquivou pedido do próprio cidadão contra improbidade de Hugo Tadeu Montanari Crepaldi. Que tempo depois a justiça o condenou] e pediu a cassação, bem como, perícia grafotécnico para identificação do funcionário e analise dos computadores afim de identificar lista de mala direta, onde comprovará a prática “contumaz” do vereador Jonas Chamarelli.

Instaurado
Antes mesmo da Câmara Municipal de Penápolis arquivar pedido de Cristiano Alves, a promotoria de justiça já havia lhe comunicado que foi instaurado um inquérito civil para apurar possíveis irregulares e de improbidade administrativa.

Votou

ARQUIVADO EM:

Deixe sua opinião sobre o assunto...

COMPARTILHE ESTE POST

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on telegram
Share on pinterest