fbpx

“Clima é de insegurança entre usuários e funcionários” diz diretora do Hospital Unimed

Após os anúncios de locação e criação de comissão para transferir o Pronto Atendimento do Hospital Unimed para a Santa Casa de Misericórdia de Penápolis e a possível instalação do AME Cirúrgico no prédio localizado na Avenida Leandro Ratisbona de Medeiros, começou a circular nas redes sociais texto da Dra. Mirela Fink – diretora administrativa do hospital particular – no qual expressa sua indignação e suas preocupações com a mudança.  

Ainda na tarde dessa quarta-feira (7), o Blog do Faria conversou com a Dra. Mirela por telefone, no qual explicou detalhes sobre a situação. Segundo ela, após o anúncio da vinda do AME em junho, o Hospital Unimed recebeu diversas visitas do Governo do Estado, mas, de acordo com técnicos, o prédio não estava adequado para a instalação do ambulatório, pois precisaria de mais de quatro mil metros de espaço. 

Contudo, com a atual situação política – a vitória de João Dória, após, anúncio de apoio de Célio a atual governador Márcio França – houve uma pressa na instalação do AME antes do término de mandato em 31 de dezembro. “Surpreende, pois já está com recursos locados no orçamento do Estado”.  

Dra. Mirela salienta ainda que o contrato entre o hospital e a família é até 2021. “Em reunião com a família que solicitou o prédio mediante a vinda do AME fui de acordo”. Mas, disse ainda que não aceitou a comissão que o prefeito Célio criou para fazer a transição. 

“Hoje sou médica, membro do conselho da Unimed e diretora do hospital e fiz questão de fazer parte da comissão, porém, o prefeito não aceitou que eu fizesse parte da transição Unimed-Santa Casa. Porque o prefeito não quer eu faça parte de tal comissão?”, questionou. 

De acordo com Dra. Mirela atualmente são seis mil cooperados, centenas de funcionários e cirurgias agendadas entre janeiro e fevereiro.  “Esses anúncios deixaram um clima de insegurança entre funcionários e usuários. As pessoas estão me ligando e perguntando como será daqui para frente e os funcionários preocupados se terão emprego amanhã. Devemos ter cuidado para que nenhuma parte seja prejudicada”, explica.

Atualmente tornou-se mais do que nunca, necessária uma imprensa profissional e independente. Se o Blog do Faria faz parte da sua vida, faça sua assinatura. Sai uma cerveja ao mês.

TEXTO

Segundo o texto publicado por ela, num grupo restrito de médicos no WhatsApp – mas que acabou viralizando – a situação financeira da cooperativa é preocupante e por isso a diretoria aceitou o distrato do contrato do prédio onde se encontra o Hospital Unimed, bem como, o possível retorno a Santa Casa. Porém, caso não se efetue a vinda do AME para Penápolis – com a entrada de um novo governo – o acordo firmado é de que o Hospital Unimed continue no atual prédio. 

“Não comunicamos os usuários, [pois], vendemos um produto onde consta um hospital próprio, nem cooperados (os mais interessados) e nem ANS sobre a entrega do prédio onde se encontra locado há 10 anos hospital Unimed Penápolis, mesmo assim tudo está sendo encaminhado pela diretoria”, explica o texto. 

Mirela salienta que para este fim, o prefeito Célio de Oliveira criou e nomeou uma comissão para efetuar a transição do Hospital Unimed para a Santa Casa. “Eu Mirela, médica cooperada da Unimed Penápolis, solicitei fazer parte da comissão da minha cooperativa e não fui aceita pelo prefeito. Indignada com a tal situação durante a reunião do conselho de administração [na última segunda-feira, dia 5] me retirei do local e foi realizado o distrato com a família dona do imóvel”, salienta no texto.  

No fim da nota, Dra. Mirela explica que não tem intenção nenhuma de prejudicar a vinda do AME para Penápolis, simplesmente está preocupada com a forma que está sendo tratado o assunto. “Estou apenas procurando a forma correta de não prejudicar cooperados e usuários da Unimed Penápolis. Sendo assim eu como cooperada e membro do conselho de administração tomarei as medidas cabíveis dentro do estatuto nossa cooperativa e da lei”, finaliza. 

CONFIRA A NOTA NA ÍNTEGRA

“Bom dia!! Colegas eu Mirela médica cooperada e membro do conselho de administração da cooperativa Unimed Penápolis e diretora administrativa do Hospital Unimed Penápolis sinto na obrigação de comunicar a todos vocês a minha indignação frente as atitudes tomadas pela diretoria da nossa Unimed em reunião realizada no dia 5/11/2018.

Como todos sabem a situação financeira da nossa cooperativa é preocupante então resolvemos aceitar o distrato do prédio onde se encontra o Hospital Unimed e retornarmos a santa casa, PORÉM se por “acaso” o AME não vier p/ Penápolis permaneceremos no hospital (esse é o acordo firmado), porém não comunicamos os USUÁRIOS (vendemos um produto onde consta um hospital próprio) nem COOPERADOS (os mais interessados) e nem ANS sobre a entrega do prédio onde se encontra locado há 10 anos hospital Unimed Penápolis mesmo assim tudo está sendo encaminhado pela diretoria. 

Diante da situação estabelecida foi criada uma comissão para efetuar a transição hospital Unimed Santa casa essa comissão foi criada e nomeada pelo PREFEITO Célio de Oliveira.

Eu MIRELA médica cooperada da Unimed Penápolis solicitei fazer parte da comissão da minha cooperativa e NÃO fui aceita pelo PREFEITO. 

Indignada com a tal situação durante a reunião  do conselho de administração me retirei do local e mesmo sem quórum foi realizado o distrato com a família dona do imóvel . 

colegas temos uma cooperativa onde SEMPRE a assembleia  é soberana as decisões , porém aqui na nossa cooperativa uma reunião do conselho com 5 membros sendo 1 parte interessada decidem qual futuro da NOSSA cooperativa quero deixar bem claro que :

NÃO TENHO INTENÇÃO NENHUMA DE PREJUDICAR A VINDA DO AME A PENÁPOLIS estou apenas procurando a forma correta de não prejudicar cooperados e usuários da Unimed Penápolis Segue aqui o contrato para conhecimento de vocês esse foi me enviado por uma funcionária do hospital ( que está mais por dentro da situação que nós cooperados ) 

Sendo assim eu como cooperada e membro do conselho de administração tomarei as medidas cabíveis dentro do estatuto nossa cooperativa e da lei. Obrigada”