fbpx

CISA esclarece falta de remédios em farmácia da saúde mental

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on telegram
Share on pinterest
Share on email
Share on print

O CISA (Consórcio Intermunicipal de Saúde), que engloba os sete municípios da microrregião de Penápolis, emitiu, na tarde dessa quinta-feira (10), uma nota de esclarecimento sobre os últimos acontecimentos envolvendo o consórcio, entre eles, a falta de remédios na farmácia da saúde mental – em matéria veiculada pela TV TEM.

De acordo com a nota assinada pelos seis prefeitos da região, a situação acontece diante a inadimplência reiterada e injustificada de alguns municípios. “[…] não foi possível dar seguimento planejado, passando o CISA a ficar inadimplente com fornecedores por débito passados a atuais na iminência de ficar inadimplente junto à União, relativamente às obrigações sociais”, salientam.

O Consórcio salientou ainda que fez várias tentativas informais junto a administração de Penápolis para que o município regularizasse os débitos em atrasos. O Blog do Faria apurou que o município deve mais de R$ 600 mil.

“[…]por decisão unânime tomada na reunião do Conselho de Prefeitos no dia 20 de abril de 2018, foi decidido pela notificação formal do Município de Penápolis, pois inadimplente e ausente à reunião, para regularização, no prazo de 5 dias, sob pena de suspensão do atendimento e ajuizamento da medida cabível para fins de recebimento do valor devido, seguindo o definido pelo próprio Conselho de Prefeitos em reunião datada de 16 de março de 2017, o que aguardamos”, esclarece.

Ao Blog do Faria, o consórcio explicou que se manifestaria somente através da nota, mas, confirmou que o cartório entregou notificação extrajudicial ao prefeito de Penápolis e que depois da repercussão da matéria, a administração efetuou um depósito de R$ 100 mil, na tarde de ontem (10).

DÍVIDA
O CISA explicou que a inadimplência de alguns municípios ao longo da história de 30 anos, fez com que fosse constituída dívida de mais de R$ 33 milhões, referente aos encargos sociais (INSS, Patronal, FGTS), imposto de renda e junto a fornecedores.

“A fim de tornar viável a continuidade das atividades do CISA, que consabido, desenvolve importantes serviços de saúde à população da microrregião, e, sobretudo, a fim de não trazer qualquer transtorno aos municípios consorciados no desempenho de suas atividades meio e fim”.

“Tal medida, aliadas a outras, especialmente no que tange à adequação do quadro pessoal, possibilitou o saneamento das finanças do CISA, que passou a operar com superávit que permitiria até mesmo o investimento em melhorias dos serviços prestados”, explica.

O CISA salienta que diante do quadro que se instalou se não for possível atender os pacientes, em natureza supletiva e complementar ao dever constitucional dos municípios, estado e união, que “busquem atendimento em seu município de origem”, finaliza a nota.

Assinaram a nota a prefeita de Alto Alegre e presidente do CISA, Helena Berto, o prefeito de Braúna, Flávio Giussani, o prefeito de Avanhandava, Ciro Veneroni, o prefeito de Glicério, Ildo Souza, o prefeito de Barbosa, Paulo César Balieiro e o prefeito de Luiziânia, Ricardo Bertaglia.

OUTRO LADO
O Blog do Faria enviou por e-mail questionamentos para Prefeitura de Penápolis, através da Secretaria de Comunicação, mas, como é de praxe não recebemos nenhuma resposta.

ARQUIVADO EM:

Deixe sua opinião sobre o assunto...

COMPARTILHE ESTE POST

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on telegram
Share on pinterest