fbpx

‘Leitura, essa moda pega’ incentiva o hábito e o gosto pelos livros no Luiza Nory

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on telegram
Share on pinterest
Share on email
Share on print
Aproximadamente 360 alunos do ensino médio participam do projeto; Eles protagonizaram os principais personagens durante o 1º Dia de Leitura 

Promover por meio do hábito e do gosto à leitura, tornou-se um dos objetivos do projeto ‘Leitura, essa moda pega’, idealizado pela professora de língua portuguesa Regina Ferreira. 

O projeto desenvolvido com aproximadamente 360 estudantes do ensino médio da escola estadual ‘Luiza Maria Bernardes Nory’ visa provocar e instigar o interesse de cada um. “Nós precisamos achar a ‘veia’ literária de cada aluno, pois, assim o estimularemos a ler”, comenta. 
Há três anos quando começou a ideia, ela propôs aos alunos que lessem livros populares do público juvenil como as autoras Talita Rebouças, Bruna Vieira e Rick Riordan – autor da série Percy Jackson & os Olimpianos. 
“Eu sempre gostei de ler muito, mas para que eu pudesse estimular os meus alunos, eu li todos os títulos desses autores. Após a leitura eu os atiçava a curiosidade floreando muitas das vezes as histórias que contém no livro. Mas não conto tudo, pois, num certo momento digo: Se quiser saber o final, leia o livro”. 
Com isso estimulou nos alunos o que eles próprios denominaram ‘leitura por prazer’. Para fixar o trabalho e criar assim seres críticos, ela propõe que todos façam uma resenha para entregar como trabalho. 
Regina salienta ainda que o aluno é livre para expor suas vontades, principalmente, aquele que acha um tormento ler. 
“Nós estimulamos ele a escrever, mesmo que em poucas linhas, mas com isso descobrimos os seus desejos – numa dessas posso descobrir a ‘veia’ literária dele”. 
Após os primeiros livros, os estudantes do segundo e terceiro ano do ensino médio são inseridos no mundo da literatura brasileira e dos livros obrigatórios em vestibulares, como ‘Memórias Póstumas de Brás Cubas’ de Machado de Assis ou ‘Senhora’ de José de Alencar.  
“É um processo de estágios; no primeiro os alunos são cultivados pelo hábito de ler e agora no conhecer das grandes histórias dos romances brasileiros”. 
1º DIA DA LEITURA 

Para comemorar esse ciclo de estímulos a leitura, a professora Regina Ferreira e os alunos do ensino médio resolveram criar o evento literário ‘1º dia da leitura’, que aconteceu na última quarta-feira, 19, nos períodos da manhã e da noite, onde os próprios alunos entraram nas ‘ondas’ dos personagens literários e transvestiram para explicar os livros. 

Foi criando um ambiente propício para entrar no mundo de cada autor e entender o porquê dele ter escrito aquele texto. Na primeira sala, ‘Mídia e leitura informativa’, os alunos que frequentaram a exposição tiveram a oportunidade de além de expor seus trabalhos de resenhas, deixar seus depoimentos do porque começaram a ler, mas principalmente, do porque gostaram de ler. 
Já na segunda sala a ‘literatura brasileira’ esteve em evidência. Foram ambientado cada canto da sala com um personagem de uma história dos grandes autores brasileiros – os alunos criaram um roteiro de apresentação das obras, onde davam pílulas literárias, e teve o tempo todo como mote a frase eternizada pela professora Regina – Quer saber mais? Leia o livro. 
Na terceira sala, ‘leitura por prazer’, onde tudo começou os alunos tiveram a oportunidade de mostrar os bester-saller do tempo contemporânea. Desde o Diário de Anne Frank até a série completa de Herry Potter. 
A sala de ‘Mangás, Animes e Cosplays’ ficou evidenciado que os alunos estão inseridos no mundo mágico do HQ´s. Para explicar mais sobre esse assunto que a cada dia ganha mais adeptos, a escola convidou o ex-aluno Rafael Dias da Silva para expor seus trabalhos, principalmente, como Cosplay. 
Para construir alguns figurinos que seriam usados durante o evento, bem como, para aquisição de novos títulos para a biblioteca, os alunos organizaram o primeiro pedágio cultural, onde arrecadaram em torno de R$ 160. “Tudo foi revertido para os próprios alunos”, comenta Regina. 
Para conhecer o trabalho desenvolvido, a direção da escola Luiza Nory convidou as escolas públicas, bem como, e as escolas particulares do município para participarem do evento. Marcaram presenças três escolas: Yone Dias de Aguiar, Colégio Anglo e a Colégio Futuro. 
O colégio Futuro além de ir prestigiar a exposição, presenteou os alunos do Luiza Nory, com uma apresentação teatral do texto Morte e Vida Severina de João Cabral de Melo Neto. O trabalho que contou com a participação dos alunos do 9º ano, teve a orientação de pesquisa da professora de língua portuguesa Patrícia Avian e direção do professor de redação Rodrigo Santiago. 
Para o aluno do Colégio Anglo, Pedro Moreira, de 14anos, a iniciativa de visitar a exposição dos estudantes de uma escola pública, fez com que ele saísse estimulado a ler. 
“Eu tenho o hábito de ler, mas saio daqui com a vontade de pegar um livro pra ler. A sala da leitura por prazer me chamou muito a atenção”, comenta. 
DEPOIMENTOS 

De acordo com a professora Regina Ferreira muitos alunos foram ‘picados’ pelo hábito da leitura e o que um tormento virou um prazer imensurável. Não é a toa que alguns alunos se destacam. 

É o caso de Matheus Gomes, que aos 16 anos é um aficionado por livros de sagas e aventura. Seu ator predileto é o Rick Riordan da série Percy Jackson & os Olimpianos. Mas diferente já cultiva o hábito da leitura se concentrado principalmente nos Gibis e HQ´s. “Hoje eu ampliei meu repertório de leitura”, lembra. 
Já Alexsandra Lima, era uma típica menina que na faixa dos seus 15 anos, odiava ler. Começou a gostar de ler, também nos livros Rick Riordan, e as histórias de Percy Jackson. Somente neste ano, já leu mais de 60 títulos, entre eles aventura, romances e terror. “Eu não tenho nada pra fazer durante o dia, então eu leio”. 
A paixão pelas palavras, fez com que Júlia Gomes, 15 anos, ajudasse a criar a página no Facebook, ‘Leitura, essa moda pega’ que conta com mais de 530 curtidas e que divulga as resenhas dos livros lidos de cada aluno. Depois que leu o ‘Diário de Anne Frank’ tornou-se o seu livro de cabeceira, mas criou paixão por Pedro Bandeira e seus livros infanto-juvenis. 
“A literatura faz a gente fugir do mundo atual, onde tem problemas, para viajar em um mundo de fantasias. Ajudando-me a trazer soluções para o mundo real”, salienta. 
Como Alexsandra, o jovem Gabriel Brito, 18, era um daqueles meninos que também odiavam livro. Mas desde que entrou no projeto, algo mudou em sua vida. “A minha professora me questionava – Você faz teatro e como não lê? Com isso, ela me incentivou a ler. Hoje peguei gosto e sou um apaixonado por livros, pois, me trouxe conhecimento e me abriu outro mundo”. Ele comenta ainda que fica decepcionado com as versões que fazem no cinema. “De vez de eles preservarem as personagens dos livros e modificam para vender mais”.
ESCRITOR
Desde os quatro anos de idade, Luan Henrique, sempre desenhou muito bem. Apaixonado por histórias em quadrinho fez de seu talento e sua paixão pelos livros, o seu próprio – ‘Mutação Z’ – história de um esquadrão de mutantes que trabalham para salvar o mundo. 
Hoje com 16 anos, Luan comenta que nunca foi assim. Ele não gostava de ler, mas depois que começou a ler, isso fez sentido e começou a transformar o novo hábito em livro. 
Ele já escreveu quatro temporadas da série e agora a professora Regina está incentivando ele a se inscrever em concursos, mas principalmente, enviar seus trabalhos a editoras no país. 

ARQUIVADO EM:

Deixe sua opinião sobre o assunto...

COMPARTILHE ESTE POST

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on telegram
Share on pinterest