fbpx

Pagamento via pix

POR CHAVE ALETÓRIA: 

322bd22c-bba9-4447-beff-bd9d13faed44

PENÁPOLIS REGISTRA MORTE POR LEISHMANIOSE

Ricardo Faria

Ricardo Faria

Ricardo Faria, é jornalista e autor do Blog do Faria.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin

A cidade de Penápolis registrou neste fim de semana uma morte por leishmaniose. A vitima foi um idoso de 89 anos e morava na Vila Santa Terezinha. A doença foi confirmada por exame laboratorial, e o paciente encontrava-se em tratamento, porém não reagiu.

De acordo com informações do médico infectologista da Vigilância Epidemiológica, Samir Subhi Salous, três fatores contribuíram para que o paciente chegasse a óbito. “Primeiro a contaminação por leishmaniose, depois o fator da idade muito avançada, e por fim, a insuficiência renal, da qual o paciente parecia ser portador, e que veio a se agravar”, comentou.

Esse é o primeiro caso de leishmaniose humana ocorrido no município este ano. No ano passado a cidade registrou 4 casos em humanos; não houve mortes. Pelo fato da vítima ser moradora do bairro Santa Terezinha, aquelas imediações passarão agora por uma operação denominada manejo ambiental, atendendo o que preconiza o Ministério da Saúde. O procedimento padrão é que se faça, nesta situação, o manejo em um raio de 400 metros ao redor de onde foi registrado o caso. No que diz respeito à pulverização, ela ocorrerá num raio de 200 metros.

Doença
A população deve ficar sempre alerta aos cuidados para evitar a doença. A leishmaniose visceral é uma doença transmitida pelo mosquito-palha, que ao picar introduz um protozoário na circulação sanguínea. A transmissão da leishmaniose se torna perigosa por causa de cães (hospedeiros) que adquirem a infecção e desenvolvem um quadro clínico semelhante ao do homem.

A doença não se transmite diretamente de uma pessoa para outra, nem de um animal para outro, nem dos animais para as pessoas. A transmissão do parasita ocorre apenas através da picada do mosquito infectado.

Sintomas
Os principais sintomas da leishmaniose visceral são: febre que vai e volta com semanas de duração, fraqueza, perda de apetite, emagrecimento, anemia, palidez, aumento do baço e do fígado, problemas respiratórios, diarréia, sangramentos na boca e nos intestinos.

O diagnóstico precoce é fundamental para evitar complicações que podem por em risco a vida do paciente. Além dos sinais clínicos, existem exames laboratoriais para confirmar o diagnóstico. Ao apresentar qualquer suspeita da doença a pessoa deve procurar com urgência uma unidade de saúde.

Ainda não foi desenvolvida uma vacina contra a leishmaniose visceral; ela pode ser curada nos homens, mas não nos animais. Para estes, infelizmente, é indicada a eutanásia.

Recomendações

Mantenha a casa limpa e o quintal livre dos criadores de insetos. O mosquito-palha vive preferencialmente em lugares úmidos, mais escuros e com acúmulo de material orgânico em decomposição. Ele ataca nas primeiras horas do dia ou ao entardecer;

Embale sempre o lixo. Não deixe acúmulo de folhas e madeira nos quintais. Recolha as fezes dos animais de estimação, restos de comida e frutos caídos do pé;

Cuide bem da saúde do seu cão. Ele poderá transformar-se num reservatório doméstico do parasita que será transmitido para pessoas e outros animais por meio da picada do mosquito.

Com informações da Secom da Prefeitura de Penápolis

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin

ARQUIVADO EM:

Deixe a sua opinião sobre o assunto...

Pagamento via pix

POR CHAVE ALETÓRIA: 

322bd22c-bba9-4447-beff-bd9d13faed44