fbpx

Paciente que Prefeitura informa estar hospitalizada com suspeita de Covid-19, não foi atestada com a doença

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on telegram
Share on pinterest
Share on email
Share on print

A paciente hospitalizada que a administração municipal classificou estar com suspeita de Coronavírus (Covid-19), não foi atestada com a doença. A informação é da assessoria de imprensa da Santa Casa de Araçatuba, para onde a criança de quatro anos foi encaminhada, na noite dessa segunda-feira (16).

A nota oficial da Prefeitura de Penápolis, encaminhada à imprensa, informava que uma paciente, moradora de um município da comarca, estava hospitalizada com a suspeita do Covid-19.

Contudo o Serviço de Vigilância Hospitalar, da Santa Casa de Araçatuba, descartou a possibilidade de a criança ter contraído a doença. “A criança teve um desconforto de tosse, a mãe ficou assustado, porque esteve em São Paulo há 14 dias. A criança passou por duas avaliações e as duas foram descartadas e nem entrou na notificação de suspeito”, explica a assessoria do hospital.

Já as outras quatro suspeitas estão em isolamento domiciliar seguindo recomendações protocolares.

AFASTAMENTO

Na manhã dessa terça-feira (17), o Sindicato dos Servidores Públicos de Penápolis, solicitou à Prefeitura que empregados públicos que se incluem no grupo de risco – hipertensos, asmáticos, diabéticos, em tratamento de câncer e com idade acima de 50 e 60 anos possam ser afastados sem prejuízo de remuneração até que restabeleça a normalidade.

De acordo com o Gabinete de Gerenciamento de Crise – Coronavírus, o servidor que pleitear o afastamento deverá apresentar a avaliação médica, bem como, atestado médico com o CID (Código de Identificação da Doença) e perícia médica.

“Neste primeiro momento, não afastaremos os funcionários nessas condições mencionadas. Eles poderão facultando-lhes as busca por perícia médica, para obterem suas licenças regulares”, explica o Secretário de Planejamento Coronel Daniel Rodrigueiro.

Rodrigueiro salienta ainda que a crise é dinâmica. “a cada momento tudo se modifica. Pode ser que num outro momento, possamos emitir outros decretos, com novas alterações, por isso que eu como coordenador do Gabinete de Gerenciamento de Crise, estou em constantes reuniões, para o monitoramento do quadro”, finaliza ele.

ARQUIVADO EM:

Deixe sua opinião sobre o assunto...

COMPARTILHE ESTE POST

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on telegram
Share on pinterest