fbpx

PITACOS #53 – Verdades sobre a sabatina e candidato que não apoia a juventude

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on telegram
Share on pinterest
Share on email
Share on print

DECEPCIONANTE
Muitos me conhecem pelo trabalho que desenvolvo com a juventude. Milito na área das PPJs (Políticas Públicas de Juventude) há nove anos, construindo com momentos de reflexão e discussão, como, as conferências e o Fórum Paulista de Juventude, no qual, até pouco tempo atrás era seu articulador geral. Mas, o que aconteceu nesta quarta-feira (28), durante a ‘Sabatina da Juventude’ foi algo decepcionante.

SABATINA
Nós, do Conselho Municipal de Juventude de Penápolis, preocupados com discussões acerca dos mais de 14 mil jovens penapolenses, criamos um calendário de ações desde o início do ano que incluía estimular os jovens, principalmente, das escolas públicas e particulares, e com idade entre 16 e 17 anos, a tirarem o título de eleitor. O segundo e creio que o mais importante momento era um debate (que se transformou em sabatina) com os cinco candidatos a prefeito.

MAS…
Mesmo que a Diretoria de Ensino de Penápolis fazendo parte do Conselho Municipal de Juventude (aqui vale uma nota para dizer que estranhamente, desde que esse novo dirigente entrou, não houve mais a participação ativa da DE nas discussões do conselho), desde o início das tratativas para esse evento vem nos boicotando, dando-nos o duro golpe: proibindo a participação de centenas de estudantes das escolas públicas estaduais durante o evento.

JUSTIFICATIVAS
Desde o começo, foram as mais diversas justificativas esfarrapadas que a diretoria nos dava. Primeiro é de que os alunos dos terceiros anos, cerca de 390 estudantes, participariam do Saresp (Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo) e que eles estariam se preparando para a prova, porém, a avaliação será no fim de novembro. Depois, desculpas como os diretores estão resistentes com a ideia, mudando posteriormente, para semana de provas, viagens com os alunos e outras atividades.

VERDADE
A verdade é que esse semana, hoje por exemplo, começam a arrumar as sessões eleitorais. E portanto, é uma semana ‘perdida’ para a rede de ensino. Tanto é que teve escola que programou viagem com os terceiros anos para o Morro do Diabo, universidades da região. O mais incrível é que no afã, de conseguirmos público, fomos nas escolas estaduais pedir a liberação de alguns alunos para acompanhar o evento e o que ouvimos foi: Temos ordens expressas para não liberar alunos para esse evento.

FORMAÇÃO
Isso demonstra claramente a política educacional do Estado de São Paulo, que não pretende estimular em seus alunos, momentos de reflexão crítica da sociedade ainda neste momento que estamos decidindo os próximos governantes de nossas cidades. Essa resistência nada mais é do que não quer incluir em seu currículo a importância do debate democrático na formação política/pedagógica dos alunos.

ENTENDEMOS
Com esse episódio entendemos que a direção da Diretoria de Ensino está única e exclusivamente preocupados em melhorar a nota do Saresp, para que quiçá sair ‘bonitinho na foto’ entre as melhores diretorias do Estado, em detrimento da formação político/social/pedagógica de cada um dos cidadãos/estudantes.

VELHA
Essa é a velha e conhecida política educacional que se potencializou na gestão do candidato a vice-prefeito pelo PT da capital paulista, Gabriel Chalita, que outrora foi o Secretário de Educação do Estado de São Paulo e responsável por instituir a maldita progressão continua. Mas, as más gestão culminou no ano passado, com outro descalabro educacional: a reorganização escolar.

DIÁLOGO OU A FALTA DELE…
A falta de diálogo fez com que ‘pipocasse’ centenas de manifestações de pais e alunos por todo Estado. Em São Paulo, por exemplo, tivemos as ocupações de escolas e por aqui passeatas e abaixo-assinados entregues no Ministério Público. A Câmara de Penápolis organizou uma audiência pública sobre o assunto com todos os envolvidos e o único que fugiu do debate, foi o mesmo que golpeou a juventude a não dialogar políticas públicas com os candidatos a prefeitos. Ah que saudades da Sueli Bonfietti!

PACTO
Mesmo não tendo o espaço de diálogo com os prefeitos, nós, do Conselho Municipal de Juventude, cumprimos nosso papel e pedimos aos candidatos a prefeito a assinarem o Pacto da Juventude (documento de compromisso com a pauta dos jovens penapolenses.

PACTO II
Dos cinco candidatos, quarto assinaram o Pacto da Juventude – Célio de Oliveira (PSDB), Adão da Saúde (PT), Caíque Rossi (PT) e Carlinhos Baiano (PSB). O único a não assinar e assim a não se comprometer com as propostas e compromissos dos mais de 14 mil jovens penapolenses foi Ricardo Castilho (PV). O curioso é que a juventude verde, principalmente, em nível nacional, liderada pela minha amiga/irmã Mariana Perin é uma das mais combativas, estando a frente de discussões importantes da juventude brasileira.

Até lá. Alguma sugestão, crítica ou elogio mande para ricardo@blogdofaria.com.br. E acesse: www.blogdofaria.com.br

ARQUIVADO EM:

Deixe sua opinião sobre o assunto...

COMPARTILHE ESTE POST

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on telegram
Share on pinterest