fbpx

CONSELHO GESTOR DO DAEP APROVA REPASSE DE R$ 500 MIL À PREFEITURA DE PENÁPOLIS

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on telegram
Share on pinterest
Share on email
Share on print

Prefeito Célio de Oliveira comenta que o ideal seria que um aporte financeiro de R$ 1 mi, para pagar folha de pagamento e fornecedores

O Conselho Gestor de Saneamento Ambiental do Daep (Departamento Autônomo de Água e Esgoto de Penápolis) aprovou na manhã de ontem (3), por unanimidade, o repasse de R$ 500 mil à Prefeitura de Penápolis.

A princípio, o prefeito Célio de Oliveira (PSDB), tinha enviado para a Câmara Municipal de Penápolis, mensagem de número 60, que pedia autorização para a administração tomar por empréstimo a quantia de R$ 1 milhão junto ao departamento.
Porém, a direção administrativo-financeira após análise e fechamento do relatório de receitas arrecadadas e despesas empenhadas do mês de novembro e a estimativa para dezembro concluiu que o Daep teria condições de repassar a quantia aprovada.

No mês de novembro, o Daep arrecadou mais de R$ 1,9 milhão e teve como despesas cerca de R$ 1,1 milhão; fechando o período com saldo positivo de R$ 825 mil. Já a estimativa para dezembro é de que o departamento feche o mês com déficit de R$ 472 mil e o ano em R$ 2,451 milhões.

Já a posição financeira em novembro é de um superávit de R$ 469 mil. Em dezembro a previsão é ter mais despesas do que receita, fechando em R$ 473 mil, tendo um déficit financeiro de R$ 3 mil.

Rearranjo
Para que pudesse repassar o dinheiro a Prefeitura, o Daep fará um rearranjo nos empenhos de compra de materiais elétricos, de automação e de bombas para o novo reservatório do Jardim do Lago no valor de R$ 430 mil, usando a dotação do ano que vem e não mais de dezembro.

Além disso, a galeria das Quaresmeiras no valor de R$ 30 mil e que seria empenhado a compra de tubos de 800 mm foi suprimido, pois, foram decidido que o departamento fará alguns “bocas de lobo” e que pagaria os remendos que a prefeitura realizada nas ruas da cidade, totalizando os R$ 500 mil.

Destinação
De acordo com a mensagem, a valor será destinado para o pagamento de salário dos servidores públicos municipal e de fornecedores; não comprometendo as contas, planejamentos estratégicos, realização de obras e serviços, além do pagamento de salário do pessoal. Além disso, o pagamento do repasse será em 12 parcelas durante o ano de 2016.
Para o secretário de governo e gerência da cidade, Daniel Rodrigueiro, que esteve na reunião representando o prefeito Célio de Oliveira, não seria necessário tecer comentário sobre a crise econômica que assola o país, tendo um reflexo em todos os segmentos do Brasil.

“A nossa prefeitura não está numa redoma protegida, ela está numa situação muito delicada. Para se ter uma ideia, o pagamento dos servidores de outubro, a Maria Emília [secretária de finanças] precisou usar um dinheiro apartado e separado para pagar o 13º dos nossos funcionários, para poder honrar a folha de pagamento”, comenta.
“A folha de pagamento está aproximadamente em R$ 5,5 milhões e nós precisamos fazer uma reengenharia para honrar com os compromissos com salários e 13º”.

Segundo Rodrigueiro, a prefeitura precisa de um aporte financeiro temporário do Daep, para ajudar no pagamento de cerca de R$ 2,3 milhões de dívidas de fornecedor.
“Uma situação análoga a essa foi feita no governo do ex-prefeito Firmino que na ocasião foi requerido R$ 150 mil. Então diante de situações parecidas o prefeito Célio irá pedir autorização para a Câmara”, salienta.

No final da reunião, o prefeito Célio de Oliveira compareceu e explicou que a prefeitura está atualmente com o extinto de sobrevivência.
“O ideal seria que fizéssemos o aporte de R$ 1 milhão, mas, não podemos tirar a possibilidade de investimento do Daep, então, são muito bem vindos, pois, conseguiremos honrar alguns compromissos, principalmente, com fornecedores”, comenta.
Célio salientou ainda que o Daep por vender um produto [água] ela tem uma inadimplência de apenas 2% e a prefeitura a inadimplência com IPTU e outros impostos de quase 40%.
“O que o Daep vende a população paga e nós lá na prefeitura com quase 40% de inadimplência como sobrevivemos? Então, não é questão de gestão e sim da situação [do país]”.

Além disso, o prefeito comentou sobre o passivo trabalhista que tem cerca de 1200 ações com 1600 funcionários. O FPM (Fundo de Participação dos Municípios) que neste mês foi repassado metade do valor esperado. A mudança da planta genérica que há 13 anos não tem reajuste. E o incentivo para que empresas possam se instalar na cidade e assim gerar receitas através do ICMS.

ARQUIVADO EM:

Deixe sua opinião sobre o assunto...

COMPARTILHE ESTE POST

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on telegram
Share on pinterest