fbpx

Servidores aprovam manifestação para cobrar direitos trabalhistas da Prefeitura

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on telegram
Share on pinterest
Share on email
Share on print

Os servidores públicos municipais aprovaram em assembleia na noite dessa quinta-feira (19), uma manifestação para cobrar os direitos trabalhistas da atual administração. Entre as reivindicações está o repasse inflacionário de 3%, referente à data-base em fevereiro. O encontro será na próxima segunda-feira (23), a partir das 17h, na frente da Prefeitura de Penápolis – na Marginal Maria Chica, 1400.

Durante a assembleia, que teve a participação de mais de 100 servidores, a presidente da SindServPen (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais), Maria José Francelino, a Zezé, apresentou um histórico do que foi negociado com a prefeitura.

“Nós enviamos a nossa pauta de reivindicações no dia 17 de janeiro e o governo só foi marcar a primeira reunião com os servidores no último dia da nossa data-base. Nesta primeira reunião, o vice-prefeito nos disse que só teriam condições de analisar somente em abril”. “Já abril, o vice-prefeito além de quase sair na mão com um dos nossos diretores, não nos trouxe nenhuma novidade para nossas reivindicações”, explica Zezé.

Zezé lembrou ainda que o prefeito Célio de Oliveira e o vice-prefeito Carlos Alberto Feltrin, assinaram em setembro de 2016 um Termo de Compromisso com os servidores. “Nós publicamos na semana passada e entregamos a todos os servidores o Termo de Compromisso que o prefeito e o vice assinaram durante a campanha e que se comprometeram em garantir a revisão geral anual dos nossos vencimentos. Isso nos mostra a falta de compromisso do atual governo com os servidores”, salienta.

PERDAS INFLACIONÁRIAS
O Sindicato apresentou aos servidores públicos municipal as perdas salarias nos últimos cinco anos. Caso a prefeitura não conceda nenhum percentual no repasse inflacionário, a perda será de mais de 20%.
Os servidores não receberam repasse inflacionário em 2013 e 2016. Na época, foi concedido um vale alimentação de R$ 90 (2013) e aumentado em (2016) para R$ 112.

No ano passado, ainda na gestão do prefeito interino Rubens de Médici Ito Bertolini, foram concedidos 5,44%, parcelado em três meses. Na época, Rubinho enviou à Câmara projeto concedendo o valor de R$ 224 pelo cartão de vale alimentação, porém, foi rejeitado pela Câmara pelos votos dos vereadores da base governista. “Com a volta do prefeito Célio de Oliveira foi concedida o valor de apenas R$ 13,00”, diz Zezé.

PEDIDOS
Entre outros pedidos, pedem a Administração Municipal, que criem benefícios aos servidores municipais que não tiveram faltas injustificadas, licenças médicas por mais de 15 dias, advertência ou qualquer tipo de punição. Segundo o sindicato, o benefício poderá ser em acréscimo em dias de férias.

Solicitam ainda a instituição das 30 horas semanais para o setor de enfermagem (Enfermeiros, Técnicos de Enfermagem e Auxiliares de Enfermagem), conforme negociação com o Coren SP (Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo).

Reivindicam ainda que faça a reavaliação da avaliação de mérito até a aposentadoria; Pagamento das evoluções acadêmicas e não acadêmicas, além de, unificar no estatuto as educadoras e as professoras. Requer uma reforma administrativa, o pagamento de horas extras feitas antes da reforma trabalhista; a compra de uniformes por setor e a escolha das chefias por quesito técnico e não político.

O prefeito Célio de Oliveira (PSDB) e o vice-prefeito Carlos Alberto Feltrin (PMDB), não justificaram a ausência na reunião.

ARQUIVADO EM:

Deixe sua opinião sobre o assunto...

COMPARTILHE ESTE POST

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on telegram
Share on pinterest