fbpx

Servidores discutem reajustes com a administração municipal

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on telegram
Share on pinterest
Share on email
Share on print
No inicio da noite de ontem, 13, foi realizada no Teatro Lúmine, a Assembléia Geral Extraordinária do Sindicato dos Servidores Municipais de Penápolis. O encontro foi presidido pelo seu presidente Anderson Leoni, o popular Batata e contou com a presença do prefeito Célio de Oliveira. 
Na oportunidade, o mandatário fez um relato do processo que culminou com a proposta que ele e sua equipe de governo apresentaria naquela noite. Lembrou dos acordos com os funcionários em 2013. Ano que ele instituiu um cartão de alimentação no valor de R$60,00, que valeria por apenas três meses, até uma nova assembléia dos servidores, chegando posteriormente a R$90,00. 
Segundo Célio de Oliveira, só foi possível fazer uma proposta graças a dois fatores: o aumento das receitas do município e a diminuição das despesas. A proposta apresentada fora de 5,6% de reajuste inflacionário, mais R$60,00 no cartão alimentação e o compromisso de repassar os índices inflacionários nos próximos dois anos. 
O presidente Anderson Leoni, fez uma contraproposta para a administração municipal, pedindo-lhes que transforme em lei o reajuste dos anos de 2015 e 2016. E solicitou que em nome dos mais de 1000 servidores que assinou o baixo assinado, que ele pudesse manter o vale alimentação de R$90,00. 
Em reposta, Célio desconversou quanto ao projeto de lei, limitando-lhe em dizer que estava pedindo aos servidores mais um voto de confiança, pois, ele manteria a palavra. Já para manter o vale no valor de R$90,00, o prefeito disse que não daria para fazer dessa forma. 
A proposta final e que foi aclamada pela maioria dos servidores municipais foi de 5,6% do reajuste inflacionário, mais R$65,00 de vale alimentação. Sendo que esses R$5,00 segundo o prefeito Célio de Oliveira foi o reajuste de 5.6% em cima dos R$60,00. 
Ato Político 
No inicio da assembleia, o presidente Anderson Leoni, lembrou e pediu aos presentes que se ativessem de atos políticos limitando exclusivamente na discussão do reajuste inflacionário. Porém, o próprio prefeito Célio de Oliveira entrou no discurso político ao citar de que necessário o reajuste da planta genérica do município. 
Sendo que na mesma hora foi duramente rechaçado, criando um “burburinho” entres os presentes. Para o enfermeiro Alexandre Almeida, é impossível uma discussão dessa pois além de servidor é morador da cidade. “Como que eu vou pagar algo em torno de 50% a mais de IPTU e eu tenho que implorar por 5,6%? “. Salientou. 
Almeida ainda conclamou os vereadores para que ficassem atentos na hora de votar o orçamento de 2015, para se a prefeitura esta fazendo a revisão geral anual. 
Reajuste 
Outra reivindicação do sindicato foi quanto a perda inflacionário 6.4% de 2013. Para o governo, a proposta seria de dividir nos próximos dois anos no cartão do vale alimentação. A maioria dos servidores desejam que essa perda seja incorporado ao salário. A justificativa é que se ele valor for pro vale, a qualquer momento ele pode ser extinguido e perderia a porcentagem. 
O prefeito Célio de Oliveira, entende que esse índice de 6.4%, na verdade seria de 4.4%, pois, esses 2% transformou-se no vale alimentação. Sendo assim, os outros 4.4% seriam distribuídos nos dois próximos anos também no cartão alimentação. Entretanto, os servidores desejam que esse repasse seja incorporados nos salários, coisa que segundo o governo caso seja feito, eles perderiam o vale. 

ARQUIVADO EM:

Deixe sua opinião sobre o assunto...

COMPARTILHE ESTE POST

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on telegram
Share on pinterest