fbpx

Câmara de Vereadores aprovam dois projetos em sessão extraordinária. Confira!

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on telegram
Share on pinterest
Share on email
Share on print

Os vereadores da Câmara Municipal de Penápolis, aprovaram nesta segunda-feira (3), em sessão extraordinária, dois projetos de lei enviados pela Prefeitura de Penápolis.

O primeiro foi um pedido de autorização legislativa para que o município forneça mão-de-obra e materiais necessários a execução da automação da lavanderia da Santa Casa de Misericórdia de Penápolis. O valor das obras ficarão em pouco mais de R$ 4,2 mil. O projeto foi aprovado por unanimidade.

De acordo com a mensagem 42 enviado pelo prefeito de Penápolis, Célio de Oliveira (PSDB), a automação além de agilizar os serviços do hospital, poderia gerar receitas através de prestação de serviços efetuados a terceiros.

Na mensagem explica ainda que a compra de todo equipamento foi advinda de uma emenda parlamentar de R$ 200 mil. Mas, que antes da automação foi necessário refazer toda a rede elétrica do local, pois, não suportava o funcionamento.

O vereador Rodolfo Valadão Ambrósio (PSD) salientou que a emenda que possibilitou a compra dos equipamentos é de pelo menos cinco ou seis anos atrás e que somente agora estava efetivando a sua instalação.

Outro vereador do PSD, Júlio Caetano, lembrou que a caldeira (movido a lenha) é uma bomba relógio que a qualquer momento pode “estourar”. E lembrou de outros pedidos em favor dos funcionários do hospital – como a entrega de cestas básicas.

Já o vereador Francisco José Mendes, o Tiquinho (PSDB), lembrou que outros equipamentos, em outros governos tinham demorados mais de dois anos para também serem instalados e que esses equipamentos não eram diferentes. Em nítida tentativa de eximir o prefeito da culpa de não ter instalado antes.

Lar Vicentino

Outro projeto de lei aprovado por unanimidade foi o que corrigiu os valores de subvenções médicas para o Lar Vicentino. Passando os atuais R$ 8 mil/ano para R$ 113 mil/ano.

De acordo com o projeto de lei, a entidade que atende 56 idosos em caráter permanente tem um custo por idoso de pouco mais de R$ 1,7 mil e recebe do poder público municipal R$ 14,28 por idosos ao mês.

O Lar explicou ainda, em planilhas anexadas ao projeto, que somente na área da saúde são gastos mais de R$ 48,6 mil por mês, perfazendo 39% do total de despesas da entidade. Entre as despesas estão os salários da equipe de saúde, a compra de fraldas, medicamentos, de alimentação enteral e de material de enfermagem.

ARQUIVADO EM:

Deixe sua opinião sobre o assunto...

COMPARTILHE ESTE POST

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on telegram
Share on pinterest