Museu do Sol oferece aulas de bordados finos

A cinco anos, de uma conversa informal com Anita Cabelereira, a museólogo Beth Bergner, montou em sua casa um pequeno grupo de pessoas interessadas a aprender as técnicas de bordados à mão – os chamados bordados finos.

Após seu falecimento – em maio desse ano – um dos grupos resolveu continuar os trabalhos, desta vez, dentro das instalações do lugar em que Beth mais se dedicou – o Museu do Sol.

Além disso, resolveram denominar a turma de: “Grupo de Bordados Beth Bergner”. “Beth sempre foi uma inspiração para nós. Resolveu montar o grupo para repassar as técnicas que aprendera e agora queremos retribuir, continuando este importante legado”, explica a coordenadora do grupo, Maria Lúcia Lima da Silva, a Malú.

O grupo que se reúne semanalmente no Museu do Sol, sempre às quartas-feiras, das 15h às 17h, realizam trabalhos diferenciados com bordados finos em linho puro e cambraia de linho, por exemplo.

Para o atual diretor do Museu do Sol, Joaquim Alberto Fernandes, o Beto Fernandes, é uma honra abrir o museu para receber mais essa atividade. “Nós somos sabedores de quanto a Beth gostava do bordado e ter a possibilidade de recebê-los aqui é um enorme prazer”, salienta.

O grupo está aberto para receber novas pessoas que desejam aprender as técnicas de bordados à mão. Para saber mais detalhes, basta procurar a secretaria do Museu do Sol ou ir durante o horário dos encontros.

EXPOSIÇÃO

A exposição ‘Irmão Sol, Irmã Lua’ sobre São Francisco de Assis, uma homenagem profana que a cidade presta ao seu padroeiro, cujo nome também foi atribuído ao Santuário penapolense, um dos raros no Brasil com o nome do santo, fica aberta até o dia 31 de outubro.

A exposição conta com 18 pinturas, sete esculturas – sendo duas do acervo permanente e outras cinco do particular. Além do que, foi confeccionada uma cenografia temática, trabalhado em cima do tema religioso, trazendo a vivência, por exemplo, de São Francisco com Santa Clara. A entrada é gratuita.

ARTE NAIF

O Museu do Sol é o primeiro museu de Arte Naif da América Latina e foi fundada pela artista Iracema Arditi em 1972 em São Paulo. Já em 1978 teve a sua transferência para Penápolis.

A coleção foi à primeira do gênero, formada no Brasil, e desde sua fundação recebe continuada visitação. O museu realiza exposições periódicas, palestras e oficinas culturais, bem como, faz a coleta, documentação e promoção do gênero primitivo de arte.

O Museu do Sol é localizado na Avenida Rui Barbosa, 798 e funciona de segunda a sexta-feira, das 13h às 17h. Informações nos telefones (18) 3652-0590 e 3652-7851. A/I do Museu do Sol.

Fred Di Giacomo lança livro “Desamparo” hoje na biblioteca

Reconstruindo a colonização violenta do oeste paulista, o jornalista e escritor penapolense Fred Di Giacomo lança na tarde desse sábado (23), o livro “Desamparo”. O evento será na Biblioteca Municipal “Prof. Fausto Ribeiro de Barros”, a partir das 16h. O livro estará à venda no local, a preço promocional de R$20,00.

“Desamparo” é um dos vencedores do Primeiro Edital para Publicação de Livros da Prefeitura de São Paulo, tendo como marca a precisão ágil do jornalismo com a prosa poética de sotaque caipira.

Segundo Fred, as histórias mais absurdas de “Desamparo” são verdadeiras, o resto é ficção. Antes de passar pelos labirintos da imaginação do autor, porém, a biografia do interior paulista foi pesquisada através de trabalho jornalístico que buscou as origens do povoamento do Estado de São Paulo.

“Entre figuras históricas como o matador dândi Dioguinho e a pioneira que foi ama de leite de Dom Pedro II, nos deparamos com uma pequena biografia do nosso povo, com uma fábula sobre o caminho que nos trouxe ao violento país que somos hoje, com personagens que estrelam um balé de gerações iniciado com os primeiros patriarcas, em um sertão quase bíblico, banhado pelo sangue dos kaingangs, pela malária e pela grilagem de terras”, explica.

E continua: “Em meio a tudo isso, ‘a sertaneja é antes de tudo uma forte’. E Rita Telma é a cabocla que encarnará o destino desta cidade-embrião, nascida na trilha da estrada de ferro. Desamparo é o Brasil, o início do século XX, seu tempo é o resumo da história da humanidade que se repete até os dias de hoje”, salienta.

Flashbacks e reviravoltas vão montando, aos poucos, a tragédia que vai definir o destino de Rita, sua família e seus contemporâneos. A história da nascente cidade corre paralela à busca por vingança. Filha de Maria Chica, viúva pioneira, a protagonista vive atormentada pelo espírito do pai – despojado de suas terras, de sua honra e de seu amor.

A versão sertaneja de Hamlet, que se desenrola na trama, é, também, o tema do romance, nunca terminado, do Coronel Manoel Antero, antagonista de Rita. Odisseu frustrado, desbravando o mar de mato do sertão paulista, o astuto rábula busca na política, no progresso e na semeadura de povoados, o heroísmo que lhe garantiria a imortalidade.

SOBRE O AUTOR
Fred Di Giacomo nasceu em Penápolis, sertão paulista. Filho de professores idealistas que o criaram rodeado de livros migrou para São Paulo para se arriscar como jornalista e chegou a redator-chefe na Editora Abril. Nesse período, foi pioneiro na criação de newsgames reconhecidos internacionalmente, como Science Kombat, lançado pela Superinteressante.

Depois de sete anos e meio, pediu demissão para tocar o Glück Project – uma investigação sobre a felicidade, em Berlim. De volta ao Brasil, escreveu roteiros para o programa “Conversa com Bial”, da Rede Globo, e foi editor e coordenador da Énois – que forma no jornalismo jovem das periferias de São Paulo.

Fred foi coordenador e editor do “Prato Firmeza – o guia gastronômico das quebradas de SP” (finalista do Prêmio Jabuti, em 2017) e é autor de “Canções para ninar adultos” (Ed. Patuá, 2012) e “Haicais Animais” (Ed. Panda Books, 2013), entre outros. Escreve letras e toca baixo na banda Bedibê.

PITACOS #31 – CULTURA EM PENÁPOLIS

Renúncia
No dia 28 de outubro, após sete meses na presidência do Conselho Municipal de Cultura pedi minha renúncia da função, bem como, do quadro de conselheiros até o fim dessa atual gestão. Dois foram os motivos com as quais culminaram com minha saída. A primeira é que alguns membros que gerenciam a Secretaria Municipal de Cultura tem a pretensão de acharem que são autossuficientes nos fazeres culturais dessa cidade, boicotando qualquer tipo de ação que não vá de encontro com os quais não está no ‘script’.

Cancelamentos
O segundo nada mais é do que o cancelamento das atividades culturais para esses próximos dois meses – Festival de Teatro, Festival de Dança e o Orgulho Negro (Hip Hop). A justificativa é a uma vertiginosa queda de arrecadação e a necessária garantia de prestação de serviços essenciais. Esses serviços são Educação, Saúde e Saneamento Básico – todos eles possuem leis que regulamentam os investimentos, sendo que, em muitos casos como, por exemplo, a saúde que é obrigado por lei investir 15% e nos últimos anos estão investindo 35%? Fora isso, os recursos são divididos com outras secretarias.

Primeiro?
Por que a Cultura tem sempre que sofrer primeiro com os cortes de gastos? No início do ano, lembramos bem que por causa da epidemia de dengue, a administração municipal cancelou o Carnaval Popular. Na época, eu fui um dos que levantaram a bandeira de que mesmo com o cancelamento que o dinheiro economizado ainda ficasse na Secretaria de Cultura para investimento em formação. E aí será que investiu?

Conformismo
Eu fiquei pasmo com o conformismo de diversos artistas perante os fatos. A começar pelo Secretário de Cultura, Luiz Colevatti, que na matéria publicada pela Secretaria de Comunicação da Prefeitura nos jornais da cidade, onde ele lamenta dizendo que houve uma determinação da administração municipal. O segundo é do nosso nobre cineasta e vereador dos animais, Lucas Casella, que se omitiu e em momento algum falou publicamente sobre o cancelamento. E o terceiro é a própria classe artística que não se mobilizou e foi cobrar das autoridades respostas sobre as ruínas da cultura penapolense.

Loas
Não a demérito nenhum em pontuar e/ou criticar algumas ações de governo (como é o caso da política cultural) e por outro lado elogiar o que a de bom. Como o próprio Gilson Ramos publicou em sua coluna de ontem, o prefeito Célio de Oliveira com todo seu prestigio ao governador Geraldo Alckmin, conseguiu a manutenção do Posto Fiscal em Penápolis. Muitos não imaginam o quanto aquele prédio é importante para os contabilistas e advogados por exemplo. Foi uma conquista e tanto.

Redução
Dois munícipes, servidores do DAEP (Departamento Autônomo de Água e Esgoto de Penápolis), usaram a tribuna da Câmara de Vereadores e questionaram sobre o por que o departamento também não entrou na redução dos horários em repartições públicas. Outro questionamento que deveriam fazer, mas, infelizmente não fizeram, qual seria a projeção de economia para os próximos 90 dias. Pelo menos a Prefeitura não anunciou nenhum número. Isso pra mim é mais propaganda do que economia.

Reconsiderar
Ambos servidores concordaram até que a atual gestora do departamento está tendo atitudes militaristas, ameaçando funcionários e criando a ‘lei da mordaça’ e que o caos está instaurado dentro do DAEP. Diante disso, dois vereadores pediram para a diretora-presidente (que também é servidora pública), reconsiderar e sair do cargo.

APAE
Os repórteres tem lá suas vantagens. De vez em quando nos deparamos com histórias incríveis e que nos enchem de orgulho de ser o que somos – “contadores de histórias”. Foi lindo acompanhar novamente de perto os alunos da APAE confeccionarem os cartões de natal que as empresas acabam comprando para enviar aos seus parceiros. E eles tem a noção de que aquele cartão (desenhado e pintado por eles) irão alegrar o natal de outra pessoa.

Blog do Faria
Em um momento tão feliz para o Blog do Faria que finalmente conseguimos mudar de plataforma e com isso melhor a qualidade para os nossos queridos fiéis “barbudos” e “barbudetes”. Agora o nosso blog também tem novo endereço – www.blogdofaria.com.br. Sensibilizado o trabalho desenvolvido na APAE quero presentear você (caro leitor/leitora) com um cartão desses – mande um e-mail para pitacos@blogdofaria.com.br com seu nome e endereço completos e enviarei a você! Até mais breve!

Alguma sugestão, crítica ou elogio mande para pitacos@blogdofaria.com.br.

ROLLING STONES VEM AO BRASIL EM 2016

Uma das maiores banda de rock de todos os tempos estará no Brasil no ano que vem. Os ingleses Mick Jagger, Keith Richards, Charlie Watts e Ronnie Wood, do Rolling Stones anunciaram hoje (5), que farão uma turnê pela América Latina.

No país, a banda passará por três cidades – Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. O Maracanã, no Rio, receberá a primeira apresentação, no dia 20 de fevereiro. Em São Paulo serão dois shows, nos 24 e 27 de fevereiro, no Estádio do Morumbi. Os Stones encerram a passagem pelo país em Porto Alegre, no Estádio Beira-Rio, no dia 2 de março.

No vídeo publicado no Youtube a banda comenta que os latinos proporcionam um ambiente “elétrico”. “Sem dúvida, o melhor ambiente que já vimos com a banda desde o início dos anos 1970”.
Os ingressos começam a ser vendidos ainda este mês, mas os valores ainda não foram divulgados.

[poll id=”3″]

Turnê

A Olé Tour estreia no dia 3 de fevereiro em Santiago, no Chile, e ainda passa por Buenos Aires (Argentina), México City (México), e, pela primeira vez, em Montevideo (Uruguai), Lima (Peru), Bogotá (Colômbia).

Eu quero estar lá e você?

ANA FRANCO TRANSFORMA SUAS IDEIAS EM OBJETOS DE BELEZA

Suas obras de artes estão espalhadas pelo mundo – Austrália, Espanha, Estados Unidos, México, Argentina e Reino Unido
Eduardo Simão/ Penapolitanos
Ana produz as peças em diversas plataformas como em papel, tela, chacote, cerâmica, vidros, porcelanas ou faiança no ateliê instalado em sua casa
Com um olhar bastante peculiar sobre a vida e as pessoas, a artista Ana Franco, com 62 anos, está sem dúvida em um de seus melhores momentos artísticos. Ela, após aposentar-se, ao invés de parar e naturalmente descansar, preferiu investir seu tempo em mais e mais pesquisas que pudesse de alguma forma melhorar ainda mais seus trabalhos. 
Formada em Educação Artística pela Funepe (Fundação Educacional de Penápolis), em 1977, Ana entende que a formação acadêmica foi fundamental para a artista que é hoje. 
“A minha formação em artes teve um embasamento teórico muito bom, o que me possibilitou na prática conhecer outras técnicas com diversos artesões e aproveitar ao máximo cada conhecimento. Se eu não tivesse essa prévia com toda certeza teria sido muito mais dificultoso, pois, não conseguiria assimilar e traduzir no meu olhar”, comenta. 
Ana Franco define-se com um gosto bastante eclético, mas sem estilos definidos. “Prefiro transitar sempre em diversas plataformas seja ela de papel, em tela, chacote, cerâmica, vidros, porcelanas ou faiança”. 
Quando criança já tinha seus papéis em mãos, pintando sempre que via pela frente. Já na adolescência sonhava em ser artista plástica. 
“Em casa nunca vivemos da arte, mas estava muito presente em tudo que fazíamos – sempre fomos muito estimulados. Meu pai [Benedito Pereira] era músico, trocava trompete divinamente então naturalmente fomos levados a gostar de arte”, lembra. 
Quando criança já tinha seus papéis em mãos, pintando sempre que via pela frente. Já na adolescência sonhava em ser artista plástica
Tanto é, que a música está presente no processo de construção de suas peças. “Eu coloco música para trabalhar. Eu sou muito eclética com música também. Para trabalhar prefiro os autores que prioriza a melodia como na MPB e no Jazz. Gosto também da música instrumental – quando ouço os mais agudos, de fundo, a movimentação dos sons, você imagina e descreve uma maravilhosa história”. 
Outra coisa que ajuda Ana Franco no momento de suas criações é a paisagem verde presente em seu quintal. “Eu não fico sem jardim, sai de uma casa no centro e vim pra essa porque tem quintal. Eu gosto da terra, preciso ter paisagem. O jardim foi eu quem fiz, se eu não tiver um pouco de verde eu fico sufocada, pois, além do mais aqui na nossa região não conseguimos ver a linha do horizonte”. 
Suas obras de artes estão espalhadas pelo mundo – Austrália, Espanha, Estados Unidos, México, Argentina e Reino Unido são alguns dos países que possuem alguma peça de Ana Franco. 
CONHECIMENTO
Assim que Ana Franco saiu da faculdade foi lecionar no Colégio Educandário Coração de Maria; nas escolas públicas como Adelino Peters, Casa da Amizade e Marcos Trench, além de ministrar aulas também na Funepe. Com isso, teve que desacelerar suas criações, mas, não deixou de aprender. 
“O trabalho em sala de aula é muito enriquecedor para o trabalho da gente. O aluno traz ideias que ele nem imagina. Vamos com uma proposta e ele vem como uma respostas que a gente não tinha pensado anteriormente”, comenta. 
Saiu da sala de aula para assumir a responsabilidade de ajudar a construir o acervo do Museu Histórico e Pedagógico “Memorialista Gláucia Maria de Castilho Muçouçah Brandão”, anteriormente denominado “Fernão Dias Paes”. 
“Trabalhei por mais de 15 anos como diretora do museu. Naquela época chegamos realizar mais de 19 eventos em um único ano. Diversas exposições itinerantes vinham para Penápolis e nós fazíamos parceria com a Galeria Itaú e com a Caixa Federal para expormos em seus espaços. O que me marcou também foi alguns ciclos de debate sobre diversos temas – um deles era a ‘mãe trabalhadora’ onde convidamos psicólogos, sociólogos, delegada da mulher para falarmos sobre o assunto e também a ‘A Influência da mídia no comportamento social’, quando trouxemos o diretor da TV Tem de Araçatuba. Até que veio o processo de municipalização e eu voltei a lecionar”. 

Artista participará da exposição “Terra Cor Fogo” no Museu do Sol

Ana Franco irá expor porcelanas e faianças pintadas num processo que envolve intervenção de pigmentos secos que aglutinados se transformam através do fogo em vitrificador
No próximo dia 23 de outubro, a partir das 20h, no Museu do Sol, a artista Ana Franco fará parte da exposição “Terra Cor Fogo”, com outras duas grandes artistas penapolenses – Celinha Trindade e Celina Passafaro.  
Elas há décadas se dedicam a transformar ideias em objetos de beleza para uso ou contemplação, tanto é, que Celinha e Ana vão mostrar porcelanas e faianças pintadas em suas respectivas oficinas, num processo que envolve peças industrializadas. Através de intervenção utilizam pigmentos secos que aglutinados se transformam através do fogo, em vitrificador. 
Já Celina Passafaro transforma o barro em objetos utilitários ou escultóricos num primeiro momento. Através da queima fixa a forma, esmalta com pigmentos de várias colorações e, novamente, vai ao forno para vitrificar a peça.
As expositoras, todas com formação artística, têm produção expressiva, fator que permite neste momento do 107º aniversário da cidade de Penápolis exibir suas produções. (Com informações do Museu do Sol)
Fotos: Eduardo Simão/Penapolitanos 

PITACOS #28

Liderança
A sessão da Câmara de Vereadores nesta segunda-feira (21), caminhava para uma sessão chata, sem nenhuma novidade, quando eis que surge o vereador Caíque Rossi (PSD), propondo ao também vereador Dr. Rodolfo (PROS), que abrisse mão da liderança do governo na Câmara para um dos vereadores do PSDB – partido agora do Prefeito Célio de Oliveira.
Surpresa
Pegaram todos de surpresa, vereadores e população presente na Câmara. Tanto é que teve parlamentares petistas aplaudindo o pedido do Caíque Rossi e outros que davam risadas sem entender o porque desse pedido, afinal de contas, Dr. Rodolfo é fiel ao prefeito Célio de Oliveira. Mesmo assim, ele colocou a disposição a função caso o prefeito e seu novo partido deseja assumir o posto.
Emendas
Durante a sessão, o presidente da casa Alexandre Gil (PT), conclamou os vereadores a criarem emendas ao orçamento de 2016, que será votado em breve pela Câmara. Segundo ele, houve uma conversa entre os parlamentares e a Secretária de Finanças Maria Emília que lhes explicaram como fazer uma emenda ao projeto sem ferir a legislação. Já faz tempo que não a uma emenda parlamentar em orçamentos municipais.
Candidato
Ainda durante a sessão, tive a oportunidade de brincar com o Ricardinho Castilho (PV), de quem deveria ser o candidato a prefeito do Partido Verde, era seu pai Ricardo Castilho, que já fora ‘alcaide’ nos idos dos anos 1970. Dr. Ricardo já falou publicamente que foi o responsável pelas as eleições de 2008 e 2012, para João Luís (PT) e Célio de Oliveira (na época pelo PSD). Não está na hora de ganhar uma eleição, sendo ele o candidato a prefeito?
CISA
E na próxima terça-feira, 29, a partir das 19h30, a Câmara Municipal realizará audiência pública sobre o possível fechamento do Consórcio Intermunicipal de Saúde. Foram convidados representantes da direção do CISA, Sindicato dos Servidores Públicos Municipais, Conselho Municipal de Saúde e vereadores e prefeitos dos municípios integrantes do consórcio.
Poeta
Em julho do ano passado, eu tinha a honra de conversar com o professor de matemática, Maurílio Machi, que se aventura brilhantemente pelo mundo poético das palavras. Na oportunidade ele apresentara ” Acolhimento ou Recuso”, o livro que seria lançada na Bienal do Livro em São Paulo. Infelizmente nesta semana, a vida e seus desígnios o tirou de nós. Mas seu legado e suas obras ficaram para relembramos com carinho desse grande homem.
Contradições
Ele dizia gostar das contradições, pois, todos nós somos contraditórios o tempo todo. Como pode perceber no poema Fábula de “Faces e Fases” –
“Por detrás do muro/ Espreita a vida/ Não a sua vida/ Mas, talvez a vida que gostaria de ter/ A vida que não viveu/ Que não vive/ E que possivelmente/ Não viverá”.
Sarau
E no dia 1 de Outubro, Penápolis participa do Desafio “Dia de Ler, Todo dia!”, uma mobilização nacional pela leitura. Durante todo, das 09h às 21h, a página no Facebook da Biblioteca Fausto Ribeiro Penápolis, receberá fotos e vídeos de pessoas sozinhas ou em grupo lendo seus livros preferidos, contando pontos para a cidade. Como prêmio, o município ganhará um kit de livros novinhos para as duas bibliotecas municipais. Para encerrar as atividades do dia, a partir das 19h, terá o Sarau na Biblioteca Municipal ” Prof. Fausto Ribeiro de Barros”. Estão todos convidados.
Picadeiro
A Praça Dr. Carlos Sampaio Filho, será palco hoje (25), a partir das 20h, do espetáculo “Metro y Medio”, com a palhaça Maku Jarrak. É um espetáculo que emociona através da expressão corporal e da comunicação cômica, provando que o humor é universal. Ela é dirigida por um dos mais referentes palhaços latino-americano, o Payaso Chacovachi (que esteve em Penápolis durante o Circuito Sesc de Artes). O evento é uma promoção do Governo do Estado de São Paulo, através do Circuito Cultural Paulista.
Doações
Publicamos durante a semana aqui no INTERIOR que os adolescentes do Interact Club de Penápolis iniciaram uma campanha de arrecadação de alimentos, de produtos de limpeza e de materiais em geral para doar aos desabrigados de Panorama, município distante a 220 km de Penápolis. A arrecadação vai até o dia 14 de outubro, podendo ser entregues as doações a um dos interactianos.
Piloto
Estão abertas as inscrições no Aero Clube de Penápolis, o Curso Teórico de Piloto Privado. O curso é o primeiro passo para quem deseja se tornar um piloto de avião. No final desta primeira etapa o aluno se submeterá a uma prova teórica da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil). Caso seja aprovado, estará apto a concluir o treinamento prático. O inicio será dia 15 de outubro. Maiores informações: 3652 2617 e aeroclubepenapolis@gmail.com.
Alguma sugestão, crítica ou elogio mande para ricardo@ricardofaria.com.br. E acesse: www.ricardofaria.com.br

PITACOS #27

CISA 
Na edição de ontem (10), publicamos aqui no INTERIOR uma matéria sobre o possível fechamento do CISA (Consórcio Intermunicipal de Saúde), que engloba as sete cidades da microrregião – Penápolis, Avanhandava, Barbosa, Glicério, Braúna, Alto Alegre e Luiziânia. A verdade é que a empresa pública de natureza privada criada em 1986, está mal financeiramente. São mais de 24 milhões de dívidas com INSS patronal e o FGTS não é recolhido desde setembro do ano passado. 
Fechamento
Mesmo com todo esse cenário, a diretora geral Renata Vidal afirma que não tem hipótese alguma de fechamento do CISA. Do outro lado, o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Penápolis Anderson Leone, o Batata, está mobilizando servidores, vereadores e comunidade para discutir o assunto numa audiência pública que será convocada pela Câmara Municipal de Penápolis. 
Médicos
No pequeno expediente da última sessão, o vereador Francisco José Mendes, o Tiquinho, ao comentar o sofrimento de uma cidadã que usara a tribuna da Câmara, disse que a empresa que atuar no Pronto Socorro Municipal contrata médicos que se “formaram ontem” e que se fosse assim era melhor não ter médico. De pronto o vereador Dr. Rodolfo rebateu a fala do parlamentar dizendo que muitos dos profissionais do Pronto Socorro fizeram residência e tem experiência para estarem ali. 
Leite de Pedra 
O prefeito Célio de Oliveira (PSD), tem dito nos últimos meses que a Administração está “tirando leite de pedra” e que se não alterasse os pagamentos de pequeno valor de 20 para 6 salários mínimos, de ações judiciais transito e julgados pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, a Prefeitura de Penápolis não suportaria até o fim deste ano. 
Cargos 
Pois bem, nas últimas duas semanas, a administração municipal enviou para a Câmara de Vereadores, dois projetos que criam quatro cargos de encarregaturas – Chefia de Serviços e Licitações; Chefia de Transporte Público; Serviço do INCRA e Serviço de Inspeção e Fiscalização dos produtos de origem animal. Nos dois primeiros, 10 de 12 vereadores com direito a voto votaram contra, rejeitando assim a criação dos mesmos. Já no de Chefia do INCRA, os parlamentares foram bem claros que a prefeitura deve extinguir alguns cargos para obter êxito. No caso do Serviço de Inspeção e Fiscalização dos produtos de origem animal, a mudança será apenas de secretarias, saindo da Secretaria de Saúde e indo para o de Agricultura, Abastecimento e Meio Ambiente. 
Mulheres
Acontece hoje, 11, a partir das 7h30, a 2ª Conferência Municipal de Políticas para Mulheres. Com o tema “Mais direitos, participação e poder para as Mulheres” o evento vai avaliar o que já está sendo desenvolvido e definir estratégias para avançar fortalecendo ainda mais as políticas públicas para as penapolenses. O encontro será no CEU das Artes, rua Manoel Foz, 515, na Vila Aparecida. 
Trânsito
Também hoje, 11, mas a partir das 19h30, a Câmara Municipal de Penápolis realiza a audiência pública sobre a municipalização do trânsito. 
Serão discutidos entre outros assuntos: os benefícios da municipalização, criação da Junta Administrativa de Recursos e Infrações, a estruturação administrativa, as obras de engenharia, a ordenação do fluxo de veículos e pedestres, sinalização, regulamentação de estacionamentos e programas de educação, preparação técnica, adequação legal do município às normas e leis do trânsito.
Ministérios
E não é que os possíveis cortes de ministérios no governo federal está dando o que falar? A presidente Dilma Rousseff determinou que houve diminuição de apenas 10 dos 39 ministérios existentes. Mas o Ministro de Planejamento, Nelson Barbosa sugeriu o corte de 15 pastas. Entre as possíveis mudanças está a incorporação do Desenvolvimento Agrário à Agricultura ou ao Desenvolvimento Social, e a extinção do Turismo. 
Cultura 
Nesta mudança, o MinC (Ministério da Cultura) poderia voltar a integrar o Ministério da Educação. Entidade que militam na área cultura já se mobilizam contra esse possível retrocesso. É inadmissível que o MinC desapareça, pois é o único espaço oficial possível da disputa do pensamento, da reflexão e do simbólico no governo federal. #MinCResiste
Abandono
Fechar o MinC hoje seria abandonar a cultura tradicional indígena, quilombola, dos povos de terreiro, de matrizes africanas, do Circo – que apenas nos últimos 10 anos conseguiram alguma representação junto aos poderes públicos. Seria abandonar os artistas, fazedores e pesquisadores de Teatro, Dança, Artes Visuais, Cinema, Hip Hop, além de todas as linguagens embrionárias advindas da relação contemporânea entre tecnologia e Arte. Seria abandonar a construção cotidiana da subjetividade dos brasileiros.
Exposição
Está aberta à visitação gratuita a exposição “Uma ideia sustentável”, instalada no Museu do Sol. A exposição conta com cerca de 60 trabalhos artísticos criados pelos alunos do Ateliê do Museu do Sol. São obras desenvolvidas ao longo do primeiro semestre, cuja temática abordada foi a sustentabilidade do planeta e o reaproveitamento de materiais. A exposição é aberta ao público e pode ser apreciada de segunda a sexta-feira, das 13h às 17h, na Avenida Rui Barbosa, 798, centro.
ricardo@ricardofaria.com.br | www.ricardofaria.com.br