fbpx

Letícia Sader será presidente da Câmara de Vereadores de Penápolis

A primeira vereadora cadeirante da legislativo penapolense, Letícia Takano Sader (MDB), será a próxima presidente da Câmara de Vereadores de Penápolis, no biênio 2021/2022.

A votação que confirmará seu nome na presidência, acontece nesta sexta-feira (1º), logo após a posse dos 13 parlamentares, do prefeito eleito Caíque Rossi (PSD) e da vice-prefeita Mirela Fink (Podemos).

Letícia será a segunda mulher a assumir o posto. A primeira foi a Maria José de Macedo, a Zezé Macedo (PSDB), entre 1985/1987 e 1989/1990.

Segundo o que o blog apurou, desde o início das negociações – logo após a eleição municipal – o grupo liderado por Letícia com outros cinco vereadores já estavam fechados, faltando apenas decidir as posições da mesa diretora e da vice-presidência.

Durante as conversações, o grupo procurou as vereadoras eleitas Dona Vilma (Republicanos) e Professora Jandinéia (PT), além dos atuais parlamentares Júlio Caetano (PSD) e Ivan Sammarco (DEM).

Júlio e Ivan lançaram suas candidaturas à presidência da Câmara no dia seguinte de serem reeleitos durante a eleição municipal, no último dia 15 de novembro, mas, não conseguiram viabilizar seus nomes para liderar a mesa diretora. Nas primeiras conversas, ambos não teriam aceitado o convite para assumir o segundo biênio 2023/2024.

Entretanto, após a confirmação da vereadora Dona Vilma em votar com o grupo liderado por Letícia Sader – e com votos suficientes para eleger todos do mesmo grupo –; o vereador reeleito Ivan Sammarco teria se reaproximado do grupo, com o compromisso de assumir a presidência nos últimos dois anos.

Composição

Com os votos necessários, o grupo dividirá entre os partidos que apoiaram a candidatura de Carlos Alberto Feltrin (MDB). A presidência ficará justamente nas mãos do partido do atual vice-prefeito.

A primeira secretaria ficará com Paulo Henrique Castelleone Sanchez, o Paulinho do Esporte (DEM). Já a segunda secretaria será do engenheiro civil, Edson Bilche Girotto, o Batata da Pizzaria (PSDB).

Para a vice-presidência da Câmara de Vereadores, assumirá o servidor público municipal, Nelson Santana da Rocha, o Nelson Kbeção (Cidadania).

PSD

Diferente de quatro anos atrás, o Partido Social Democrático (PSD), não será decisivo para compor a direção da Câmara de Vereadores de Penápolis.

Dentro do partido, o vereador reeleito Júlio Caetano lançou sua candidatura à presidência no dia seguinte à eleição – durante a sessão ordinária da Câmara –; condicionando, inclusive, o segundo biênio a eleição de uma mulher.

Inclusive teria conversando com Feltrin, para solicitar o apoio de Letícia Sader e José Antônio Ferres Chacon, o Cabeça do Coletivo, ambos do MDB, antes mesmo de conversar com o prefeito eleito Caíque Rossi e seus pares de poder legislativo.

A ausência de Júlio durante a campanha eleitoral, a falta de lealdade, aliada com prepotência adquirida após a expressiva votação – que lhe rendeu a primeira colocação – teria afastado o prefeito e os vereadores da coligação de declaram publicamente apoio a sua candidatura.

Nos bastidores, Júlio Caetano tem dito que está sendo traído pelo grupo capitaneado pelo prefeito eleito Caíque Rossi. Mas, desde o início tem condicionado em suas negociações de que ele deveria ser o presidente por ter sido mais votado.

Em uma das oportunidades, ao pedir respeito por ter sido o mais votado, ouviu do Ivan Sammarco: “Eu devo te respeitar, como você me respeitou na eleição passada?”. Fazendo alusão ao episódio de que Júlio votou no Rubinho Bertolini, ao invés de votar no Ivan – que na oportunidade teria sido eleito em primeiro nas eleições de 2016.

Projeto de lei que devolve Pronto Socorro para Santa Casa é adiado

O projeto de lei que pretende devolver o Pronto Socorro Municipal à Santa Casa de Misericórdia de Penápolis foi adiado por uma semana. O pedido foi solicitado pelo vereador da base governista Francisco José Mendes, o Tiquinho (PSDB).

Segundo o parlamentar, o pedido de adiamento foi de comum acordo entre os vereadores da Casa, entre eles, o líder da oposição Rodolfo Valadão Ambrósio, o Dr. Rodolfo (PSD) e o líder da base, Reginaldo Sacomani, o Nardão (DEM). Participaram também os vereadores Júlio Caetano (PSD), Evandro Tervedo (DEM) e Rubinho Bertolini (SD).

“A gente torce para que haja o envolvimento de todos os personagens. Principalmente, o nosso advogado, os advogados da prefeitura, os outros advogados e a comissão que desde o primeiro momento vem trabalhando. Hoje os vereadores Evandro e Júlio se afastaram, mas, tem pessoas capazes para chegarmos num bom termo, para fazermos uma votação clara, para que nosso povo que é batalhador, que sofre tanto neste país, não seja afetado”, explicou o vereador Tiquinho.

COMISSÕES

O Presidente da Câmara de Vereadores de Penápolis, Ivan Eid Sammarco (Cidadania), salientou que a presidência recebeu três documentos para o adiamento, entre eles, os das comissões de Justiça e Redação, presidida pelo vereador Dr. Rodolfo e de Finanças, Tributação e Orçamento, pelo parlamentar Carlos Alberto Soares da Silva, o Carlão (Cidadania), bem como, pedido de vistas dos vereadores Júlio Caetano e Tiquinho.

“Ficam nomeados os relatores Bruno Marcos na Comissão de Justiça e Redação e Reginaldo Sacomani na Comissão de Finanças, Tributação e Orçamentos, mas, com os prazos suspensos, por motivo de pedido de adiamento do vereador Francisco José Mendes. Se correr tudo bem, retiramos os pedidos”, salienta o presidente.

VEJA TAMBÉM: CONTRATO DE GESTÃO GARANTE QUE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS SÃO DE RESPONSABILIDADE DA OSS DE BIRIGUI

FAQUINHA

O líder da oposição, Dr. Rodolfo, lembrou o prefeito Célio de Oliveira (sem partido), que a Câmara de Vereadores de Penápolis não é um puxadinho da Prefeitura de Penápolis, para aprovar o que quer, na hora que quiser.

“Fizemos vários debates internos e chegou num bom senso, porque, o projeto não é simplesmente passar o Pronto Socorro para a Santa Casa. Mais de 50% do dinheiro destinado à saúde vai ser administrado por uma OSs”, explica o vereador.

E salientou que não vai permitir novamente o prefeito colocar a faca no pescoço dos vereadores, com pressa na hora de votar.

“Nós temos um contrato vigente com a OSs de Birigui que diz que ela é a responsável pelo passivo trabalhista. Porque então, vamos discutir num projeto que isso vai passar para a Irmandade? Então são coisas que não podemos votar com essa rapidez. [Por isso mesmo] chegou num consenso e adia-se, venha um substitutivo analisando tudo isso aí. Que não venha com faquinha no pescoço para dizer que tem que votar amanhã, como sempre se faz”, disse.

E no final comentou que o prefeito respeita tanto a casa de lei que o objeto da discussão, já foi assinado dia 14, antes mesmo de enviar projeto à Câmara.

Projeto com “jabutis” é aprovado na Câmara de Penápolis

Na noite dessa segunda-feira (09), a Câmara de Vereadores de Penápolis, aprovou em 1ª discussão, por sete votos a favor e três abstenções, projeto de lei de autoria do executivo, que institui gratificação mensal para membros efetivos da comissão de licitações, pregoeiros, de sindicância e/ou de processos administrativos, de fiscalização de transporte de estudante e estabelece adicional de 20% a título de dedicação exclusiva aos servidores lotados no setor de Transporte Coletivo.

Os “jabutis” – que não têm relação alguma com o simpático animal – são emendas ou inserções que modificam o projeto original. A princípio, os vereadores sabiam que iria tramitar somente projeto de lei que estabeleceria adicional aos servidores do setor de transporte coletivo. Contudo, foi enviado ao Legislativo projeto inserindo outras gratificações.

Muitas delas, rejeitada pelos próprios vereadores, por 11 votos a 1, em fevereiro do ano passado, como é o caso da gratificação mensal para membros efetivos da comissão de licitações, pregoeiros, de sindicância e/ou de processos administrativos.

O vereador e líder da oposição, Rodolfo Valadão Ambrósio (PSD), salientou que o governo municipal – comandado pelo prefeito Célio de Oliveira (sem partido) – usou de manobra, pois, sabiam do clima favorável para aprovar o adicional aos servidores do transporte coletivo e enxertou no projeto gratificações que demandariam maiores discussões. E por isso solicitou adiamento de duas semanas.

ÍNTEGRA DO PROGRAMA RADAR DA ATIVA FM | 10 DE SETEMBRO

PEDIDO DE ADIAMENTO

Depois do pedido de adiamento, o vereador Francisco José Mendes, o Tiquinho (PSDB), disse ser favorável ao adiamento, acreditando que o projeto necessitaria de ajustes, principalmente, com relação a gratificações a servidores da área administrativa/operacional do setor de transporte coletivo.  

Já o líder do governo, o parlamentar Reginaldo Sacomani, o Nardão Sacomani (DEM), salientou também da importância de adiar a matéria, mesmo salientando que o projeto de lei foi um dos poucos enviados a Casa com todas as informações necessárias.

Entretanto, na hora de votar o pedido de adiamento do vereador Dr. Rodolfo, o líder do governo mudou de posição e votou a favor da tramitação, sendo aprovado por seis votos a quatro. Os Vereadores Carlos Alberto Soares da Silva (Cidadania) e José Antônio Ferres Chacon (PSD) foram impedidos de votar, pois, além de serem servidores públicos, são concursados como motoristas.

APROVADO

Após rejeitar o pedido de adiamento, a Câmara de Vereadores, continuou a discussão do projeto, sendo os líderes foram os protagonistas. Os vereadores Tiquinho e Dr. Rodolfo anunciaram que iriam absterem o voto por acreditar que deveriam ter modificações no projeto original.

Dr. Rodolfo chegou a dizer que o projeto poderia ser rejeitado, caso a contagem dos votos não dessem o número necessário para aprovação por maioria absoluta, isto é, pelo primeiro número inteiro após a metade dos membros da câmara – 7 votos.

Contudo, a hora da votação, o vereador Júlio Caetano (PSD) que na votação anterior teria optado pelo adiamento, acompanhou a maioria e proporcionou a vitória dos “jabutis” do governo municipal. Ao blog, afirmou que nunca irá se abster. “Comigo é assim, eu voto contra ou a favor”, explicou.

O projeto foi aprovado com os votos dos vereadores: Nardão Sacomani e Evandro Tervedo (DEM); Bruno Marco e Júlio Caetano (PSD); Ziza do Nascimento e Roberto Delfino (MDB) e Rubinho Bertolini (Solidariedade). Os vereadores Dr. Rodolfo e Ester Mioto (PSD) e Tiquinho (PSDB) se absteram. Já os parlamentares Cabeça do Coletivo (PSD) e Carlão (Cidadania) não puderam votar.

CHUPA

Após concluir a votação, um dos servidores do setor de transporte coletivo presente nas galerias da Câmara de Vereadores, gritou: “Chupa Tiquinho”. O vereador pediu respeito e teve o apoio do presidente da Câmara de Vereadores, Ivan Sammarco (Cidadania).

Essa não é a primeira vez. Em outra oportunidade, após a votação do projeto de lei que a prefeitura assumiu a dívida previdenciária da Fundação Educacional de Penápolis (Funepe), um aluno gritou um “Chupa Tiquinho” nas galerias da Câmara.

SEGUNDA DISCUSSÃO

Na próxima segunda-feira (16), o projeto de lei volta a pauta da Ordem do Dia para ser discutido e votado em segunda e última discussão.

apoie o jornalismo independente